Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

"Bionanopartícula" declara guerra ao terror das maioneses !

Os donos de bufês e restaurantes politicamente corretos estão sempre de olho na matéria-prima que utilizam para, assim, tentar "detectar", nos alimentos que fornecem, a presença de uma bactéria que poderá vir a transtornar seus negócios e até mesmo tirar a vida de um ou outro de seus fregueses. Daí, o prejuízo... nem pensar! Trata-se da Escherichia coli (E. Coli) para quem maioneses, camarões, peixes, etc., etc., são o que se pode chamar de "prato cheio".

Acontece que, de olho nelas, também estão alguns pesquisadores da Universidade da Flórida (EUA), liderados por Weihong Tan, que desenvolveram um método rápido para detecção da vilã, associando uma nanopartícula e um anticorpo. Pelo novo método, vinte minutos são suficientes para que o mais ínfimo bacilo da E. coli 0157:H7, responsável por intoxicações alimentares severas, seja detectado.

Os pesquisadores criaram uma nanoestrutura de silício, à qual associaram um anticorpo específico, que reconhece a cepa bacteriana funcionando, assim, como marcador que se torna fluorescente na presença da bactéria.

Embora os métodos convencionais de análise para marcar as bactérias também se valham de marcadores ligados a anticorpos, esbarram no fato de que um anticorpo pode transportar apenas uns poucos marcadores, só funcionando a partir de uma população considerável de bactérias. Daí a necessidade da cultura de colônias de bactérias.

Já a "bionanopartícula", recentemente desenvolvida, conforme enfatizam os pesquisadores do grupo, é equipada com centenas de moléculas fluorescentes, podendo, dessa forma, enviar um sinal claro. O alvo da equipe, agora, é a indústria agroalimentar, para a qual pensam vender seu procedimento, que poderá vir a contribuir para a detecção de todos os patógenos - agentes capazes de produzir doenças que tornam os alimentos impróprios para o consumo.

National Academy of Sciences (EUA), www.pnas.org. (Tradução/Texto - MIA)


Veja mais:

Cloreto de cetilpiridínio é liberado para o tratamento da carne.

<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco