Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Drogas étnicas suscitam temor de racismo.

Os EUA podem aprovar em 2005 a primeira droga étnica do mundo. Chamada BiDil, ela é indicada para o tratamento de insuficiência cardíaca congestiva, mas somente em negros.

A BiDil foi um dos assuntos analisados em uma revisão sobre um dos temas mais polêmicos da ciência, a genética da raça. A revisão foi publicada num suplemento especial da revista Nature Genetics, uma das mais importantes do mundo. O suplemento reuniu artigos a respeito das implicações médicas e sociais de um número crescente de pesquisas que associam aspectos étnicos - que partem do princípio de que a cor da pele é um bom indicador de ancestralidade - à medicina e a investigações criminais.

Nos EUA, esse tipo de pesquisa vem se tornando cada vez mais freqüente, criando em muitos grupos o receio de que variações genéticas associadas à medicina possam ser usadas em argumentações racistas. Essas pesquisas suscitam questões como a conexão entre a cor da pele e a saúde; e se haveria diferenças em relação a características mais complexas, como inteligência e comportamento.

Pesquisadores norte-americanos investigam se populações - ou grupos raciais – teriam pequenas variações genéticas que as tornariam vulneráveis ou resistentes a doenças ou que regulassem a ação de drogas. Segundo um dos artigos, de Sarah Tate e David Goldstein, da University College London, há pelo menos 29 remédios cuja eficácia variaria entre grupos raciais. Francis Collins, diretor do Instituto Nacional de Pesquisa do Genoma Humano dos EUA e um dos pioneiros do Projeto Genoma Humano, admite que o tema é incendiário, mas afirma que é melhor estudá-lo com seriedade do que deixar espaço para que grupos racistas o façam.

Muitos geneticistas argumentam, porém, que diferenças entre indivíduos são muito mais importantes do que as registradas entre populações. A medicina orientada por variações populacionais é vista como o meio do caminho até o objetivo final da farmacogenômica, que é o tratamento feito sob medida para o perfil genético de cada paciente.

O Professor Sérgio Danilo Pena (http://www.abc.org.br/%7Espena), titular do Departamento de Bioquímica e Imunologia da Universidade Federal de Minas Gerais e um pioneiro nos estudos de ancestralidade e genética no Brasil, considera uma grande tolice falar em genética racial. O DNA mostra que não há raças. Pior do que isso, é perigoso abrir espaço para discussões equivocadas, que só fornecem falsos argumentos a racistas, diz ele.

Na Nature Genetics, Mildred Cho e Pamela Sankar - ambas da Universidade Howard, conhecida pela militância afro-americana - advertem contra o uso de informações fornecidas por estudos de ancestralidade em investigações criminais.

Destacam que ancestralidade não tem relação direta com a cor da pele. Para elas, essas pesquisas podem ter conseqüências desastrosas.

Jornal O Globo (Rio de Janeiro), 27 de outubro de 2004.

<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco