Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Final de ano promissor : SONY anuncia um televisor OLED de 11 polegadas.

Após a apresentação de um protótipo do futuro da tela OLED (do inglês, Organic Light Emitting Diode) de 27 polegadas, no CES 2007 (Consumer Electronics Show 2007), a Sony terá êxito em sua aposta de lançar televisores usando OLEDs no mercado antes do final de 2007. De fato, em 1o de dezembro a Sony deverá por à venda no Japão o primeiro televisor OLED de 11 polegadas.

A tecnologia OLED era, até o presente, utilizada somente em pequenas telas, nos telefones celulares, por exemplo. Segundo a Sony, seu XEL-1 será o primeiro televisor OLED acessível ao grande público mundial.

O televisor é munido da tela "Organic Panel" (nome dado às telas OLED, pela SONY). Graças à obsolescência da retroiluminação para essa nova tecnologia, a tela mede 3 mm de espessura em sua região mais fina. Os pixels orgânicos são, de fato, capazes de restituir cores reais e luminosas sem a retroiluminação das telas LCD (do inglês Liquid Crystal Display).

Os OLEDs não têm remanência (indução magnética remanescente em um circuito magnético após a remoção do campo magnético externo aplicado) e podem ser ligados ou desligados rapidamente. O "Organic Panel" fornece um tempo de resposta quase instantâneo e pode, portanto, reproduzir as cenas que se movimentam rapidamente, como aquelas de esporte via televisão. Ele é igualmente dotado de uma boa luminosidade porque a restituição do brilho das imagens é feita graças a uma elevada taxa de abertura, o que dá uma emissão de luz eficiente a partir dos diodos orgânicos. Há um forte contraste de razão 1000000:1. Além do mais, os níveis de preto são detalhados porque não há emissão de luz para a cor negra (as outras telas têm pelo menos a luz da retroiluminação que falseia o negro) e a boa restituição das cores é respeitada mesmo nas imagens muito claras ou muito escuras. O consumo é de 45 W porque não há necessidade da alimentação com luz de retroiluminação.





TV OLED de 11 polegadas, da SONY.

Créditos: SONY


A tela 11 polegadas, com uma resolução de 960x540, custará por volta de R$ 3.100,00 (três mil e cem reais) e, inicialmente, serão produzidas 2000 unidades por mês. Embora a Sony tente minimizar seus custos de produção utilizando fábricas já existentes, os analistas acreditam que a nova tela será vendida com prejuízo, estimando seu custo em cerca de R$ 6.000,00 (seis mil reais).

SONY (http://www.sony.net), consultado em 16 de outubro, 2007 (Tradução - MIA).


Assuntos conexos:

Química de Materiais aponta para novos caminhos: materiais eletrônicos orgânicos invadem a óptica!


<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco