Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

O espaço pode ser a fonte de energia do futuro.

Poder-se-ia crer tratar-se de Science-Fiction, todavia, segundo um relatório do Pentágono (sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos), a possibilidade de gerar eletricidade solar no espaço para, a seguir, transmiti-la a Terra, poderá tornar-se realidade daqui a apenas poucos anos.

O Escritório Nacional de Segurança Espacial (NSSO, do inglês) tinha lançou um estudo, em abril último, a fim de avaliar o potencial de exploração da energia solar a partir do espaço. Uma perspectiva que poderá se tornar economicamente viável entre 2017 e 2020.

De fato, o Relatório demonstra que a transmissão de energia por microonda ou raios laser poderá permitir aprovisionar de energia lugares isolados, aqui, onde importar eletricidade por via terrestre ou produzi-la no local, custa muito caro. O estudo privilegia a solução de uma transmissão por microondas, menos sensível às variações atmosféricas que o laser.

Os painéis solares colocados em órbita captam radiação 4 vezes mais que sobre a Terra. Seria preciso, contudo, uma superfície de 2,4 km2 para gerar 1 gigawatt continuamente.





Um dos projetos do Space Island Group: residência espacial.

Créditos: SIG



O exército americano está particularmente interessado em um sistema que permitisse alimentar suas tropas diretamente no campo. Mas enquanto o Pentágono fala em dezenas de anos, algumas empresas privadas se dizem desde agora prestes a enfrentar o desafio de uma comercialização.

Uma delas, o Space Island Group (EUA), pretende lançar o primeiro protótipo em 18 meses. Afirma ter quase finalizado seu financiamento, num montante de 200 milhões de euros (1 euro vale aproximadamente 2,58 reais).

"O satélite fornecerá entre 10 e 25 megawatts", avança Meyers, dirigente do Space Island Group.

A empresa prediz que será, em breve, capaz de abastecer o mercado britânico de eletricidade, a preços competitivos, a partir de 2012.

Enerzine, 07 de novembro, 2007 (Tradução - MIA).


<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco