Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas
 
NOVIDADES

Pesquisadores americanos apresentam os painéis solares autolimpantes.

Em uma apresentação na Reunião Anual da American Chemical Society (ACS), realizada em agosto, em Boston, os cientistas descreveram um revestimento autolimpante da superfície de células solares, que permite aumentar a eficácia e reduzir os custos de manutenção de instalações solares de grande extensão.

Estas instalações são geralmente colocadas em zonas desérticas e áridas, nas quais a poeira vem progressivamente se depositar sobre a superfície dos painéis solares.
"Uma camada de poeira de 4 mm (de espessura) por metro quadrado diminui a conversão da energia solar de 40%", declarou o responsável pelo estudo, Malay K. Mazumder. "No Arizona, a poeira depositada cada mês atinge cerca de 4 vezes esta espessura. As taxas de deposição são ainda mais elevadas no Oriente Médio, na Austrália e na Índia."

Em colaboração com a NASA, Mazumder e outros pesquisadores desenvolveram uma tecnologia autolimpante de painéis solares, para utilização em condições extremas, como os solos lunares e marcianos.

"Marte, evidentemente, é um ambiente poeirento e seco", precisou Mazumber. "E os painéis solares que vão equipar os "rovers" (veículos espaciais), as futuras missões robotizadas e habitadas não devem sucumbir aos depósitos de poeira. Então, por que não usar esta solução aqui na Terra?

Pesquisadores da Universidade de Boston desenvolveram um material transparente, eletricamente sensível, composto de óxido de índio e de estanho, que pode ser depositado sobre vidro ou sobre uma folha de plástico transparente que recobre os painéis solares.





Painéis solares.

Créditos: Enerzine.



Sensores "vigiam" as camadas de poeira e eletrizam o material, no caso da concentração ter atingido um nível crítico.

Quando energizados, os eletrodos produzem uma onda eletrostática e forças dieletroforéticas que levantam as partículas de poeira da superfície e as transportam para as bordas do painel. Os pesquisadores constataram que 90% dos depósitos de poeiras podem ser levantados pelos painéis transparentes, em menos de 60 segundos.

Enerzine (Tradução - MIA).


Nota do Manager Editor: O ACS National Meeting foi realizado na cidade de Boston (EUA), de 22 a 26 de agosto de 2010.


<< voltar para novidades

 © 2001-2014 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco