Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Vale e Petrobras acertam megaprojeto de potássio.

A Vale e a Petrobras estão em entendimentos finais para destravar a instalação de um megaprojeto de fertilizantes em Sergipe, avaliado em até US$ 4 bilhões. O empreendimento será integrado, com uma mina de carnalita, minério do qual se extrai cloreto de potássio, e uma unidade química de processamento de adubos, com produção prevista de 2,2 milhões de toneladas por ano, a partir de 2015. Esse volume vai permitir redução da dependência brasileira de matéria-prima estrangeira.

O assunto foi discutido ontem no Planalto entre a presidente Dilma, o ministro Edison Lobão, de Minas e Energia, Murilo Ferreira, presidente da Vale, e Sergio Gabrielli, presidente da Petrobras. A pauta tratou do arrendamento ou cessão para a Vale da jazida de carnalita que a Petrobras tem em Muruim (SE). Isso é fundamental para se montar o megaprojeto. A Vale já tem uma mina de potássio em Rosário do Catete, também em Sergipe, em fase final de vida útil. Para a empresa desenvolver o novo projeto é crucial que seja selado o acordo com a Petrobras para exploração da jazida de carnalita. Falta a Petrobras decidir se vai optar pelo arrendamento ou cessão da reserva.




Cloreto de Potássio (KCl).

Créditos: Qrbiz.


O projeto da Vale é estratégico para o País, razão pela qual a presidenta Dilma quis acompanhar a reunião de ontem. O potássio é insumo imprescindível na produção de fertilizantes e o Brasil é dependente em 90% de importações - 6 milhões de toneladas. Hoje, a Vale produz 600 mil toneladas ao ano de cloreto de potássio na mina de Sergipe, também arrendada da Petrobras nos anos 90.

Os encontros entre as duas empresas já ocorrem há algum tempo. Não se trata de joint venture. O projeto é 100% da Vale. O ex-presidente da mineradora, Roger Agnelli, chegou a se reunir com o governador de Sergipe, Marcelo Déda, em 2010, para buscar um entendimento que garantisse o investimento. A indefinição da Petrobras era o último obstáculo.

A mineradora tem a produção de fertilizantes como prioridade. No ano passado, a Vale comprou ativos da Fosfértil e da Bunge, por US$ 5 bilhões. Recentemente, a companhia optou por fechar o capital da Vale Fertilizantes por causa do grande porta-fólio de projetos no setor. No momento, a companhia desenvolve o projeto de potássio de Rio Colorado, em Mendoza, na Argentina, que deve entrar em operação em 2014. Também está trabalhando no projeto de Regina, no Canadá, que começa a produzir em 2015 e tem sob análise o projeto de Salitre, em Patrocínio, no Triângulo Mineiro.

Valor Econômico.


Nota do Managing Editor: esta matéria, de autoria de Vera Saavedra Durão, foi veiculada primeiramente no Portal Valor On-line, em 21 de julho de 2011. A ilustração apresentada não consta da matéria original e foi obtida em www.google.com.


<< voltar para novidades

 © 2001-2014 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco