Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
ARTIGOS DE OPINIÃO

Responsabilidade social do cientista ou ciência para quem?

Frente ao desbaratamento dos recursos naturais, aos constantes desafios científicos e tecnológicos e à onda avassaladora da globalização, onde crises e oportunidades se revezam continuamente, observa-se que a sociedade em geral e os cidadãos empreendedores, em particular, estão ávidos por conhecimentos.

E onde encontrá-los? Normalmente nos setores de P&D das empresas inovadoras e sobretudo nas Academias, representadas por Universidades e Institutos de Pesquisa.

A idéia de Academia originou-se na Grécia. Inicialmente esse nome foi dado a um jardim de oliveiras, em homenagem a um herói chamado Akademo e onde o filósofo Platão ministrava suas aulas. Mais tarde, nesse local foi erigido um centro de estudos formais e que serviu de modelo para as Universidades conhecidas na atualidade. Portanto, a maneira de gerar, processar e transmitir o conhecimento vem sendo mantida no mundo há mais de 2390 anos, com pouca variação.

É verdade que nas últimas décadas, a denominação Academia vinha sendo relegada ou aplicada unicamente às congregações de 'imortais', onde normalmente se refugiavam os vetustos senhores (agora também, felizmente, senhoras!), mas recentemente, o termo voltou à tona e agora vem sendo usado com muita freqüência.

Pela definição dada acima, conclui-se que pesquisadores e professores são acadêmicos e por causa disso, é indispensável que eles próprios questionem sobre o papel da Academia na sociedade de hoje.

A questão pode ser desmembrada em pergunta mais simples e direta, do tipo: O que a academia tem feito para ajudar os cidadãos, sobretudo os empreendedores?

Gerar conhecimento!, dirão os mais afoitos ou mais afeitos à tarefa de investigar, estudar e pesquisar fenômenos, bichos e coisas.

Nada! Sexo dos anjos!, dirão alguns, de si para si, ou mesmo vociferando na mídia, de modo deselegante, grosseiro.

Saibamos perdoar a ignorância ou impertinência daqueles que pouco sabem ou se interessam de fato pela postura acadêmica e concordemos com a idéia de que a Academia está realmente promovendo a geração do conhecimento.

Pois bem, daí nasce uma questão complementar, que é: para quem se destina o conhecimento? Outras perguntas que vêm no rastro dessa é o "que" e "como" o conhecimento é gerado.

Por ora, deixemos essas de lado, confiando nos postulados e métodos científicos, sem sombra de dúvida apropriados para estudar o mundo material e também na responsabilidade ética e profissional daqueles que os executam.

Fixemos apenas em 'para quem?' A pergunta nos remete diretamente para a real finalidade do conhecimento gerado ou da pesquisa que o gerou, seu objetivo, o fim a que se destina. Ela implica na identificação de um interlocutor, usuário, destinatário, público-alvo.

A situação atual do mundo se prima pela competitividade e por isso o conhecimento passou a ser um recurso precioso, principal fator de barganha, elemento básico da capacidade de produção e consumo, diferencial importante entre cidadãos capazes e incapazes, entre nações desenvolvidas e sub-desenvolvidas.

Essa é a razão básica do compromisso social que o intelectual, sobretudo o pesquisador e docente, tem para com a comunidade em que vive.

Nesse sentido, o conhecimento gerado ou aprendido não pode ficar estanque, guardado a sete chaves na Academia ou destinado unicamente a especialistas de determinados ramos de atividade.

Conhecimento bom é aquele disseminado e que pode ser aproveitado, retrabalhado e transformado pela sociedade. Um dado conhecimento pode gerar vários outros, pois tem poder de potencialização.

É imperativo, portanto, que todo conhecimento deve ser disponibilizado, democratizado, sociabilizado, compartilhado.

Não existe conhecimento socialmente valioso quando esse repousa em gavetas fechadas, circula de modo restrito apenas entre especialistas e menos quando circunscreve-se à mente de alguns privilegiados.

O produtor de conhecimento deve saber cuidar e ter garantias sobre seu direito autoral. Também, deve buscar os meios mais apropriados para divulgar suas idéias ou resultados de suas pesquisas, mas é importante ter sempre em mente o interesse coletivo e o alcance social do conhecimento gerado.

Desvincular a importância de determinado conhecimento das necessidades, demandas ou anseios sociais não passa de niilismo, egocentrismo injustificável, egoísmo sem igual.

Há cientistas e intelectuais de toda ordem e com as mais diversas tendências (é ótimo que seja assim, pois firma e confirma a maravilhosa diversidade da vida), mas um gerador de conhecimento socialmente responsável e competente nunca deve ser:

A - Elitista, isto é, buscar unicamente meios de divulgação sofisticados, apenas como forma de promoção pessoal/profissional.

A escolha de meios de divulgação baseada apenas nos títulos dos periódicos, pode-se constituir num modismo científico, tão condenável como os valores da moda de sapatos e vestidos e que normalmente funciona à base de etiquetas e marcas.

B - Narcisista, isto é, dirigir o conhecimento unicamente para si mesmo ou seu grupo de trabalho, num círculo fechado e vicioso, como se isso fosse um troféu, espelho ou reflexo de sua própria vaidade.

Todo conhecimento, por mais complexo que seja, pode ser levado à sociedade, em linguagem acessível e apropriada. Além disso, demanda por conhecimento nunca acaba e quanto mais se tem, mas há falta.

C - Iconoclasta, isto é, achar que o conhecimento tem um fim em si mesmo, que o método científico é o único válido para busca da verdade ou que a ciência é o único caminho para se descobrir o real valor do homem ou a salvação da humanidade.

A ciência é uma das grandes maravilhas criadas pelo homem para compreensão do mundo á sua volta, mas o ser humano, sobretudo o protagonista da ciência, não pode ter uma atitude idólatra frente a ela.

O cientista é membro nato e tem compromissos sérios com a academia, mas também é parte integrante da sociedade com a qual interage a todo tempo e lugar.

Assim sendo, ele precisa honrar seus compromissos profissionais e dar satisfação a seus pares, mas não pode jamais abrir mão de seu dever de cidadão e de sua enorme responsabilidade social.

Nesse sentido, cada acadêmico deve ter uma preocupação constante em gerar novos conhecimentos, fazendo da academia uma instância social sempre mais rica e respeitada, mas sem descuidar um instante da necessidade básica do ser humano em ter direito ao saber.

Nota do Managing Editor: Artigo disponibilizado pelo Jornal do Comércio, de Manaus (AM). Geraldo Mendes dos Santos é professor e pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa).

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco