Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
ARTIGOS DE OPINIÃO

É hora de ousar, propõe secretário de Inovação do MCTI.


"Estamos em um momento em que o Brasil deve ser ousado em termos de investimentos em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação, de modo correspondente ao tamanho da nossa economia, que é a sexta maior do planeta". A proposta é do secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Álvaro Prata, apresentada na tarde desta terça-feira, 12, em palestra proferida na XII Conferência Anpei de Inovação Tecnológica, realizada em Joinville, Santa Catarina.

Prata prevê que, em breve, o PIB brasileiro será superior ao da França e, portanto, passará a ser o quinto maior do mundo. "Uma economia desse tamanho não pode abrir mão da inovação para continuar crescendo", afirmou o secretário. Prata disse que o governo federal "quer ser parceiro das empresas nos riscos pela inovação" e cobrou das empresas maior disposição para investir em inovação. "O setor empresarial também precisa fazer sua parte, que é a mais importante uma vez que o processo de inovação se efetiva somente dentro da empresa", disse.

Para ilustrar a expectativa do governo federal em relação ao crescimento das atividades inovativas no Brasil, Álvaro Prata citou as seis macrometas previstas na Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (ENCTI), documento elaborado pelo MCTI e que vai pautar suas ações até o ano de 2015.

A primeira macrometa é elevar o dispêndio nacional em P&D do patamar de 1,19% do PIB, alcançado em 2010, para 1,80%. A segunda macrometa, derivada da anterior, é que o investimento empresarial em P&D corresponda à metade do investimento total nessa atividade no País. "Decorrentes das duas metas anteriores, pretendemos chegar a 2014 com uma taxa de inovação no País em 48,6%, dez pontos acima do patamar verificado em 2008", disse Prata. "Para tanto, teremos de aumentar o número de empresas que fazem P&D de modo permanente. Se em 2008 eram cerca de 3.500 empresas nessa condição, queremos chegar a 2014 com cinco mil empresas praticando consistente e continuadamente atividades de pesquisa e desenvolvimento".

Outro esforço será dobrar o número de empresas que recorrem anualmente aos benefícios fiscais para a inovação, previstos na chamada Lei do Bem. Se em 2011 foram 653 empresas que recorreram a esses incentivos, o MCTI quer que em 2014 sejam, pelo menos, 1.260 empresas. "Por fim, a sexta macrometa é elevar de 23% para 30% o percentual de empresas inovadoras que utilizam ao menos um dos diferentes instrumentos de apoio à inovação".

Prata falou também sobre o atual processo de formação da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial, a Embrapii. "Juntamente com a Confederação Nacional da Indústria, estamos definindo o modelo institucional da Embrapii e sua governança", informou.

Anpei.


Nota do Managing Editor - Esta matéria foi veiculada primeiramente no site da Ampei (www.ampei.org.br), em 13 de junho de 2012.


 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco