Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
ARTIGOS DE OPINIÃO

O Brasil na contramão da história.


No começo desta última crise econômica mundial, o presidente Obama dos EUA declarou, e repetiu recentemente, que a saída para os EUA seria pela inovação, pela pesquisa, pela ciência e tecnologia. A Inglaterra optou pela mesma solução, não reduziria investimentos em pesquisas. Também o Japão e a Coreia do Sul acentuaram seus apoios à ciência e à tecnologia. A China, com a redução de suas taxas de crescimento e perspectivas pouco otimistas para o futuro próximo, acaba de anunciar que aumentará em 40% o investimento em pesquisas em ciência fundamental e em 35% em ciência aplicada. E isso é apenas natural, pois uma das mais importantes razões da perda de mercados, seja no setor agropecuário, seja no industrial, e mesmo na maioria dos setores de serviços, é a falta de competitividade, que só pode ser revertida com pesquisa em ciência e tecnologia. A inovação é hoje uma consequência direta das atividades de pesquisa em ciência pura e aplicada. E a pesquisa exige investimentos.

Pois bem, na contramão da História e do bom senso, ou melhor, do senso comum, o Governo Brasileiro cortou, em 2015, 26% do orçamento do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) para 2016. Neste mesmo ano de 2016, outra redução que leva o corte total a 38%. Não fosse suficiente, o Ministério do Planejamento estará propondo mais um corte de 18% ainda para 2016, ou seja, um total de redução de aproximadamente 50% das atividades de pesquisa no Brasil. Isto é, contra tudo que a História nos ensina, o Ministério que deveria estar pensando em mecanismos para a retomada do crescimento, está tornando impossível a sobrevivência nacional do sistema de Ciência e Tecnologia e, como consequência, comprometendo seriamente a competitividade da Indústria Nacional.



O Brasil na contramão da história

Créditos: RCL


Não fosse suficiente esta absurda cegueira medievalesca, o congresso Nacional ainda consegue cortar cerca de 30% do restante dos orçamentos das Organizações Sociais do MCTI, a mais bem-sucedida fórmula organizacional para a pesquisa.

Recentemente, os EUA reconhecendo a enorme importância que terá em futuro imediato, se já não tem, a nanotecnologia e a nanociência para a competitividade de sua indústria, assumiu um programa específico neste segmento específico da pesquisa que custará 2.5 bilhões de dólares em cinco anos. Ora, há pouco mais de três anos começou o MCTI a se interessar por este setor de Ciência e Tecnologia, que resultou no lançamento de um programa que recebe hoje 10 milhões de reais por ano. Ou seja, não é muito mais que um apoio puramente simbólico (meio por cento do que os EUA aplicam), que o governo dá àquela que é a mais importante das tecnologias para o futuro.

Estas e outras observações demonstram claramente que tanto governo como também a sociedade brasileira veem a atividade em pesquisas como uma necessidade de status de uma nação soberana, ou talvez como um componente importante da civilidade. Entretanto, ainda não percebem que ciência e tecnologia vêm se tornando imprescindível instrumento de competição em um mercado globalizado. A recente reunião do Conselhão (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social) mostra isto claramente. Nenhum dos 10 oradores, 5 ministros e 5 representantes da sociedade civil mencionou sequer a Ciência e a Tecnologia. Somente a presidente Dilma Rousseff o fez, brevemente embora. O Conselhão se compõe de 48 empresários, 28 sindicalistas, 2 religiosos e alguns representantes diversos, dentre os quais, apenas 2, poder-se-ia dizer, representam a comunidade de pesquisa no Brasil. O MCTI continua sendo tratado como quarto de despejo. Como se Ciência e Tecnologia fosse uma atividade de fachada, sem importância econômica para o País. Quando será que vamos nos livrar desse obscurantismo?

Blog Rogério Cerqueira Leite.


Nota do Manager Editor: Esta matéria foi postada no Blog Rogério Cerqueira Leite no dia 22 de fevereiro de 2016.


 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco