Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
ARTIGOS DE OPINIÃO

Brasil precisa desenvolver cultura de patentes.

Um sistema de patentes eficiente é o principal mecanismo para incentivar a inovação tecnológica. A constatação foi feita pelo Dr. Roberto Castelo Branco, diretor geral adjunto da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (WIPO - World Intellectual Property Organization), durante visita ontem (3 de abril) ao Ministério da Ciência e Tecnologia.

A WIPO, organização das Nações Unidas dedicada a promover a propriedade intelectual, veio apresentar ao Ministro Roberto Amaral a intenção de estabelecer uma cooperação com o MCT para estimular o uso inteligente das patentes nas universidades e nos institutos de pesquisa, como instrumento para aumentar a competitividade da ciência e da tecnologia nacionais.

"A patente é a forma mais relevante de garantir aos cientistas e pesquisadores brasileiros a continuidade de investimentos, por meio do pagamento de direitos autorais. Além disso, se não patenteamos um bem intelectual, outro país pode fazê-lo em nosso lugar", comenta Castelo Branco.

Segundo o diretor da WIPO, não existe no Brasil a cultura de patentes, que não são encaradas como um dispositivo valioso para a pesquisa no País. A organização sugeriu ao MCT que o IBICT (Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia), vinculado ao ministério, empenhe-se também na tarefa de disseminar o conhecimento tecnológico e o mecanismo de proteção de propriedade intelectual.

A ALCA também foi assunto da reunião. Castelo Branco alertou para a necessidade de o Brasil fazer uma leitura dos tratados de propriedade intelectual propostos sob a ótica da inovação tecnológica. Na visão da WIPO, tais documentos são de extrema importância para que o País tenha suas prioridades equilibradas durante as negociações na aliança.

Outro tema de grande interesse para o Brasil e que está sendo tratado pela WIPO é a proteção dos recursos genéticos. Para evitar polêmicas e desgastes diplomáticos, como o ocorrido recentemente com a gigante japonesa Asahi Foods, que registrou a marca cupuaçu, natural da Amazônia, foi criado um comitê intergovernamental na organização que está propondo contratos de cessão de uso para contornar o impasse. Se aceita a proposta na próxima reunião em junho, o esquema passará a ser adotado pelas 179 nações associadas à entidade.

Para os interessados, a WIPO mantém um curso remoto em português, com tutores, sobre propriedade intelectual no endereço: http://www.wipo.int/academy/en/.

Assessoria de Imprensa do MCT, 04 Abril de 2003.

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco