Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
ARTIGOS DE OPINIÃO

A economia, apontam os indicadores econômicos, começa a se recuperar. E a Química, como vai ? Muito bem ! O aumento de faturamento, em 2003, em relação a 2002, foi de 15,3 %.

Não resta a menor dúvida: este resultado é muito bom! Chega exatamente no momento em que a imprensa veiculou ser a Química a nona profissão mais escolhida pelos jovens brasileiros no vestibular, escolha esta feita com vistas à empregabilidade.

Na verdade, tão logo tomamos contato com tais informações, não pensamos em redigir exatamente um Artigo de Opinião, mas sim em não deixar que se fizesse tábula rasa desses dados, deixando-os passar em branco, como normalmente acontece. O que realmente nos animou a escrever este comentário foi o fato de que é tão grande o número de más notícias, sejam elas econômicas ou não, que esta não poderia deixar de ser comemorada. É claro que deve também ser considerada a influência do período natalino, propício ao envio de bons augúrios e esperanças.

Segundo nota publicada no jornal Folha de São Paulo, de 11 de dezembro de 2003, "a indústria química vai fechar 2003 com um faturamento de US$ 42,2 bilhões, 15,3% a mais que no ano passado, de acordo com números da Abiquim (Associação Brasileira da Indústria Química)".

Tais números vêm acompanhados de outros, que merecem ser considerados: "as vendas externas nesse setor cresceram 26% em relação ao ano passado e devem atingir a soma de US$ 4,8 bilhões; as importações também aumentaram, mas em menor proporção: passaram de US$ 10,1 bilhões em 2002 para US$ 10,6 bilhões neste ano" e, finalmente, "o déficit na balança comercial de produtos químicos diminuiu de US$ 6,3 bilhões, em 2002, para US$ 5,8 bilhões, neste ano". Esse resultado se deve, em grande parte, à performance brasileira na exportação de produtos químicos.

De acordo com o Coordenador de Economia da Abiquim, José Mascarenhas, "o país tem necessidade de estimular o investimento no segmento de produtos químicos de uso industrial, que responde por mais de 50% das vendas da indústria química". Ainda segundo ele, "este ano o segmento terá um faturamento em torno de US$ 22,5 bilhões".


Os números mostram claramente que a atividade em Química está em grande expansão e que o papel da inovação será muito importante não só para incrementar, mas também para propiciar modificações e mudanças de perfil dentro dos próprios segmentos. É exatamente nesse ponto que as relações entre a Universidade e o setor produtivo industrial podem ser muito importantes, razão pela qual, de uma vez por todas, precisam ser consideradas como estratégicas para o crescimento do setor.

LQES NEWS, número 48, 15 de dezembro de 2003. (OLA)

Nota do Managing Editor: As informações que fazem parte deste texto foram obtidos no site da Associação Brasileira da Indústria Química (http://www.abiquim.org.br) e no jornal Folha de São Paulo.

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco