Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
ARTIGOS DE OPINIÃO

Superação da pobreza e modos de fazer ciência.


O editorial da Rede de Ciência e Desenvolvimento (Scidev, na sigla em inglês), publicado no último dia 24, chama a atenção dos interessados na relação entre ciência, tecnologia e a superação dos problemas vividos pelos países do terceiro mundo. O artigo focaliza a erradicação da pobreza no continente africano e analisa os modos de fazer ciência, relacionados aos programas de incentivo ao desenvolvimento de C&T.

Na visão do autor David Dickson, diretor e editor do site Scidev.Net, cada vez mais vem se consagrando a idéia de que ciência e tecnologia devem ter um papel chave na amenização da pobreza. Na mesma direção, o relatório de Jeffrey Sachs (Universidade de Colúmbia), entregue no último dia 17 ao secretário geral das Nações Unidas (ONU), Kofi Annan, enfatiza o investimento em C&T como essencial para alcançar as Metas de Desenvolvimento para o Milênio, estabelecidas pela ONU para 2015. Outros dois exemplos elencados por Dickson são a iniciativa do Banco Mundial de ressaltar a importância de C&T na promoção do desenvolvimento econômico e social em seus programas de assistência, e o seminário que acontecerá na próxima semana, em Londres, organizado pelos governos britânico e canadense, para promover parcerias com países da África.

Apesar de concordar com a potencial contribuição do conhecimento científico e tecnológico para o desenvolvimento, Dickson recomenda cautela no entusiasmo que se cria, como se maiores investimentos nessas áreas gerassem, automaticamente, progresso econômico e social. Ele descreve como essencial as iniciativas e práticas de C&T receptivas às necessidades locais e recomenda o cuidado para que práticas ultrapassadas não sejam retomadas.

Entre as práticas inadequadas, o editor da Scidev.Net aponta a permanência de um conceito de sistema de inovação concebido de maneira estreita e tecnocrática, que não abarca dimensões sociais. Para ele, deve-se assegurar que os programas de pesquisa e desenvolvimento levem em conta prioridades locais e assegurem que os resultados dos programas alcancem os níveis de pobreza da comunidade. "Sem formas de assegurar isso e deixando os programas por conta própria, as forças do mercado, que têm dominado a evolução dos sistemas de inovação nos países industrializados, não deixarão que se alcancem os objetivos propostos", afirma.

Dickson relaciona a estratégia adequada para o desenvolvimento de programas de pesquisa com o "modo 1" de fazer ciência, expressão cunhada em trabalhos de sociólogos europeus, como o de Helga Nowotny, entre outros. Essa forma contrapõe-se ao modo que vê a ciência como estando baseada em um modelo linear que a liga à sociedade e à economia. Ao invés disso, nesse modelo, a comunidade científica determina, primeiramente, as prioridades de pesquisa, que é realizada em universidades e instituições isoladas da sociedade. Apenas quando se obtém resultados bem sucedidos é que se inicia uma parceria com o setor privado, com a tarefa de transformá-los em produtos úteis. Este é, de acordo com o autor do editorial, o modelo sob o qual a infra-estrutura científica da maior parte do mundo industrializado tem sido desenvolvida, abrangendo desde o financiamento dos programas de pesquisa até a estrutura de treinamento e os sistemas de recompensa. O conceito central é o de excelência científica baseado no reconhecimento de mérito e originalidade assegurada por pares científicos.

Já "o modo 2" de fazer ciência compreende o conhecimento científico como uma parte do sistema de inovação que abriga muitas oportunidades de interação mais ampla com a sociedade. As prioridades de pesquisa aqui são selecionadas de acordo com prioridades sociais e econômicas, de forma que, neste paradigma, a ciência não é tida como um fim em si mesma, nem valoriza o trabalho dos cientistas pelo seu mérito intelectual, mas pelo seu potencial de contribuição para as necessidades econômicas e sociais da sociedade. Para Dickson, esse é o modelo mais adequado para as necessidades da África, apesar do modo 1 ser ainda o mais presente no continente.

Apesar da análise centrada no caso africano, as recomendações de David Dickson vêm ao encontro de muitas preocupações brasileiras e podem ser um alerta interessante para o direcionamento de programas oriundos da destinação maior de verbas orçamentárias para o Ministério de Ciência e Tecnologia a partir deste ano (leia notícia sobre recursos para C&T no Brasil em 2005).


Nota do Manging Editor: Texto veiculado primeiramente no site de Conciência,
www.comciencia.br, consultado em 31 de janeiro de 2005.


Veja mais:

Scidev - Science and Development Network

Metas de Desenvolvimento para o Milênio.

ONU quer usar a ciência na luta contra a pobreza.

Helga Nowotny

Mais recursos para C&T apontam para perspectivas positivas em 2005.

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco