Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
ARTIGOS DE OPINIÃO

Brasil pode produzir remédio contra Aids (Sida) em 10 meses, estima
Ministério.

O Ministério da Saúde prevê dez meses para o início da produção do Kaletra, a droga anti-retroviral usada no tratamento de Aids, caso não haja acordo com a farmacêutica Abbott. "Em seis meses, o laboratório Farmanguinhos conseguirá produzir porque tem tecnologia e, com os testes de bioequivalência e biodisponibilidade, soma-se mais um a dois meses. "No máximo, em dez meses, poderemos começar a produzir", disse o secretário de vigilância sanitária do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa.

Com portaria ministerial declarando o remédio como de "interesse público", que deve ser publicada nesta segunda-feira (27 de junho) no "Diário Oficial", o laboratório farmacêutico americano terá dez dias para decidir se reduzirá o preço do lopinavir/ritonavir, a substância ativa do Kaletra. Caso a Abbott não aceite, o governo poderá usar, pela primeira vez, um mecanismo de licença compulsória, que permite repassar a terceiros a autorização para a fabricação do remédio. Em outras palavras, a quebra de patente.

A Abbott, que tem a proteção da patente do medicamento no Brasil até 2012, receberia em troca royalties de 3%. Em nota, o laboratório informou estar "desapontado" com a decisão do governo brasileiro. Mas acrescentou que continua "a desejar trabalhar com o governo, para encontrar uma solução de comum acordo". Não disse, contudo, se aceitará a proposta.

O Kaletra, um inibidor de protease, foi lançado nos EUA em 2000, criando uma nova categoria de medicamentos no combate à Aids. Em 2004, gerou vendas de US$ 247 milhões para a Abbott, sendo US$ 134 milhões fora dos EUA. Desde 2001, ele integra o coquetel de medicamentos contra Aids do programa brasileiro.

Boa parte da discussão envolve preço. Segundo o ministério, o valor cobrado hoje pelo Kaletra é de US$ 1.17 por comprimido, abaixo dos US$ 1.60 cobrado em 2002. Mas, de acordo com o ministério, essa redução de 26% ficou aquém dos descontos obtidos pelo governo com outras negociações de preços de drogas do coquetel de antiaids, que somam algo entre 75% e 80%. A versão genérica sai por US$ 0.72, segundo o ministério.

O argumento do Ministério da Saúde para a quebra de patente é pela garantia da sustentabilidade do programa antiaids. A estimativa é que a fabricação local pouparia R$ 130 milhões, metade do que é gasto com o medicamento da Abbott. O custo com o Kaletra subiu de US$ 35,2 milhões em 2002 para US$ 91,6 milhões (R$ 257 milhões) em 2005 enquanto o total de pacientes passou de 3,2 mil pessoas em 2002 para 23,4 mil pessoas neste ano.

O governo alega que vem ampliando o orçamento do programa de Aids que aumentou para R$ 945 milhões - alta de 52%. Nas projeções do ministério, em 2008 o orçamento pularia para R$ 1,25 bilhão para atender 215 mil pacientes. "Não teremos mais dinheiro se os gastos crescerem nesse ritmo e nossa intenção é introduzir novas drogas no coquetel, como o Fuzeon (da Roche)", disse Barbosa.

Nas contas de Farmanguinhos, o preço justo do comprimido do Kaletra seria cerca de US$ 0,68, levando em consideração a importação dos princípios ativos chineses e indianos. "Não queremos o preço da África (US$ 0,22 por comprimido), mas um preço ao redor do vendido na China e Índia". Segundo Barbosa, o Farmanguinhos e laboratórios privados têm tecnologia para produzir o medicamento.

A disputa entre o governo brasileiro e o laboratório Abbott se arrastava há meses. Além da redução de 26%, a farmacêutica havia sinalizado a produção local do Kaletra em sua fábrica no Rio de Janeiro. A proposta foi recusada pelo governo. "Isso não significa nada, só iria gerar o imposto local. Mas o preço oferecido por eles continuaria o mesmo. O Ministério da Saúde compra remédio", disse Barbosa.

Nota do Managing Editor: Esta matéria foi primeiramente veiculada no jornal Valor Econômico, Caderno 1, de 27 de junho de 2005.

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco