Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
ARTIGOS DE OPINIÃO

Biotecnologia gera negócios.

O homem é um ser intrinsecamente tecnológico. Desde a Antiguidade, procedimentos tecnológicos são utilizados para melhor adaptação ao habitat, quer pela descoberta e desenvolvimento do vestuário ou para a proteção de seu corpo, quer pela elaboração de novos alimentos como queijo, iogurte e cerveja que, na realidade, são produtos biotecnológicos, mesmo que a sua essência (as transformações químicas produzidas pelos microrganismos) só viesse a ser conhecida posteriormente.

As intervenções produzidas pelo homem na natureza foram sendo incorporadas à sua cultura e, ao longo da sua caminhada evolutiva até os dias atuais, o ser humano vem fazendo ciência - só que em ritmo extraordinariamente rápido - ao aplicar seus conhecimentos para atender às suas necessidades. Para alguns, entretanto, o marco inaugural da ciência é o ano de 1609, quando Galileu Galilei observou a lua por meio de um tosco telescópio. Embora a ciência sempre estivesse com o homem, este foi um momento novo e revolucionário, em que o homem ousou enxergar o impossível.

Dando um grande salto na história, chegamos ao século 20, considerado o século da tecnologia, pois foi neste tempo que o homem e a humanidade acumularam um caudal de conhecimentos jamais observado. Em determinadas áreas da ciência, como a biotecnologia, a matriz do conhecimento passou a ser reformulada completamente a cada cinco anos e tanto neste como em outros ramos da ciência, a ficção parece ter, finalmente, se confundido com a realidade.

O marco considerado decisivo para o nascimento da biotecnologia moderna foi a descoberta da estrutura duplamente helicoidal do DNA realizada por James Watson e Francis Crick, em 1953. Este fato acelerou de modo irreversível o desenvolvimento da genômica.

O primeiro teste em campo de uma planta geneticamente modificada aconteceu em 1987, com uma espécie de tomate resistente a vírus. Isso foi seguido de uma incontrolável disseminação de experimentos na agronomia, até chegar ao ano de 2003, com o planeta ostentando a cifra de 167,2 milhões de acres de plantas geneticamente modificadas em 18 países. A partir de então, os avanços da biotecnologia têm sido espetaculares.

Atualmente, a saúde constitui 85% de todos os investimentos em biotecnologia. Hoje, existem mais de 370 drogas e vacinas de origem biotecnológica em estudo clínico para sua aplicação em humanos, com a finalidade de vencer os desafios representados pelo câncer, doença de Alzheimer, diabetes, cardiopatias, esclerose múltipla e Aids, dentre outros.

Hoje, somente nos Estados Unidos da América, o número de empresas de biotecnologia é superior a 1.500, um terço das quais com ações negociadas nas bolsas de valores, com transações financeiras estimadas em mais de US$ 300 bilhões. Avalia-se que este setor de indústria e negócios possa movimentar algo em torno de US$ 30 bilhões anuais, somente neste país.


Nota do Managing Editor: José Geraldo de Freitas Drummond é presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Brasil). Esta matéria foi primeiramente veiculada no site Hoje em Dia (//www.hojeemdia.com.br), em 31 de outubro de 2005.

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco