Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
ARTIGOS DE OPINIÃO

Biocombustível é "janela de oportunidade" para o Brasil, aponta
socioeconomista.


A produção de biocombustível é uma "janela de oportunidade" para o desenvolvimento rural, especialmente no Brasil, afirmou dia 4 de março Ignacy Sachs, socioeconomista polonês radicado no Brasil e na França. Na abertura da plenária do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável (Condraf), ele propôs um viva! à atual crise do petróleo: "Eu participo de discussões internacionais sobre o meio ambiente desde 1972. Trinta anos de nosso discurso não tiveram o efeito que seis meses de preço alto do petróleo tiveram no sentido de incentivar a adoção de biocombustíveis".

Na avaliação do socioeconomista, o programa público brasileiro de biodiesel acerta ao dar incentivos para o setor, e o país tem grande potencial na área pelo sucesso na implantação do álcool como combustível automotivo, desde os anos 70. Sachs lembrou estudo que realizou em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae): segundo ele, uma propriedade na Amazônia com 20 hectares cultivados, sendo 10 deles de dendê, pode sustentar entre 3 e 4 postos de trabalho, caso haja uma parceria com uma unidade de processamento do óleo da palmeira.




Frutos do Dendê que podem ser usados para produção de biodiesel.

Créditos: Universidade Federal da Bahia.


O especialista destacou que, para o sucesso de projetos como o do biodiesel, é preciso desenvolver políticas públicas para auxiliar na mediação entre os agricultores e as grandes empresas de processamento agroindustrial. "Pode-se apelar à responsabilidade social das empresas, mas eu não penso que isso nos leve tão longe", disse ele, para explicar a necessidade de apoio público à garantia de transparência e justeza nessas relações.




Mamona, uma das alternativas para a produção do biodiesel.

Créditos: Revista Eletrônica de Ciências (São Carlos, SP).


Para Sachs, a ascensão dos biocombustíveis é um bom exemplo do chamado "desenvolvimento desde dentro" (ou a partir de dentro), tese defendida pelo economista chileno Oswaldo Sunkel. "O desenvolvimento rural pode ser a mola propulsora do desenvolvimento nacional", disse o polonês.

Ele também previu um desenvolvimento ainda maior para o setor dos biocombustíveis por causa dos avanços tecnológicos, que permitem, por exemplo, a transformação de restos vegetais, como cascas ou palha, em álcool. Segundo Sachs, esses avanços tecnológicos também vão impedir que haja conflito entre a produção de bioenergia e de comida. Para ele, o futuro será dos sistemas integrados, em que várias culturas dividem espaço, servindo o resíduo de uma como insumo de outra.

A 2ª Conferência Internacional sobre Reforma Agrária e Desenvolvimento Rural, evento organizado pelas Nações Unidas em parceria com o governo brasileiro, acontece a partir de segunda-feira (6), na capital gaúcha. A plenária nacional do Condraf também termina na segunda.

Agência Brasil de Notícias (www.radiobras.gov.br), em 05 de março de 2006.


Nota do Managing Editor: este texto é de autoria de Spensy Pimentel, enviado especial ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável (Condraf) e a 2ª Conferência Internacional sobre Reforma Agrária e Desenvolvimento Rural, realizados em Porto Alegre a partir de 05 de março de 2006. As ilustrações, aqui apresentadas, não fazem parte do texto original e foram obtidas em www.google.com.br.

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco