Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
ARTIGOS DE OPINIÃO

Países em desenvolvimento ampliam investimento em inovação.


Os países em desenvolvimento têm ampliado sua participação nas atividades mundiais de P&D nos últimos anos, segundo um relatório recentemente publicado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Para uma amostra de vinte países não pertencentes à OCDE, os gastos com P&D equivaliam, em 2005, a 21,4% do total conjunto dos gastos da OCDE e das economias não-membros da OCDE, contra 17% em 2000.

A China respondeu por parcela substancial deste aumento. Desde 2003, esse país se mantém no terceiro lugar mundial no ranking de gastos em P&D, atrás apenas dos EUA e do Japão e na frente dos países-membro da União Européia tomados individualmente.À semelhança do que ocorre nos países menos desenvolvidos da OCDE, nos países não-membros menos desenvolvidos, a maior parcela das atividades de P&D é executada pelos setores governo e instituições de educação superior, por exemplo: Lituânia (79,6%), Bulgária (78,5), Chipre (77,4%) e Índia (74,7%).

Em contraste, em Israel, Eslovênia, Malta, China, Rússia, Taiwan, Cingapura, África do Sul e Hong Kong, mais da metade dos gastos domésticos com P&D é executado por firma do setor privado, que, ao criar novos produtos e técnicas produtivas, atuam como importante motor do crescimento econômico. No Brasil essa proporção é de cerca de 40%.

No que se refere à intensidade do P&D (gastos domésticos brutos em P&D em relação ao PIB), Israel se destaca pela taxa mais alta do mundo: gastos com atividades civis de P&D equivalente a 4,5% do PIB. Ou seja, intensidade do P&D duas vezes a média da OCDE. Além de Israel, acima da média da OCDE em 2005, havia apenas Taiwan e Cingapura. Segundo a OCDE, intensidade do P&D no Brasil é de 0,9% (dados para 2004).

Embora o relatório recentemente publicado pela OCDE (Science, Technology and Industry Scoreboard) alerte sobre a heterogeneidade e possível superestimação nos dados desses países, a amostra de vinte países pesquisados equivalia, em 2005, a 21,4% do total conjunto dos gastos com P&D (em dólar corrente com paridade de poder de compra) da OCDE e das economias não-membros da OCDE, contra 17% em 2000.

A China respondeu por parcela substancial deste aumento, na medida em que representa 55% dos gastos dos países não-membros incluídos na amostra. Desde 2003, esse país se mantém no terceiro lugar mundial no ranking de gastos em P&D, atrás apenas dos EUA e do Japão e na frente dos países-membro da União Européia tomados individualmente.

O crescimento das atividades de P&D na China tem se dado a um ritmo muito rápido, com taxa anual média de 18,5% no período 2000-2005 (16,4% a.a. no período 1995-2000). O governo chinês definiu como meta elevar a intensidade do P&D para 2% até 2010 e 2,5% até 2020. Dada a forte expansão do PIB chinês, tal meta é considerada extremamente ambiciosa: exige expansão contínua dos gastos com P&D, no mínimo, de 10-15% a.a..

Na grande maioria dos países da amostra, o incremento dos gastos domésticos brutos com P&D no período 2000-2005 foi muito superior ao da OCDE (2,3%). As exceções foram: Israel (2,2%), Eslovênia (0,3%), e Brasil (-0,3% a.a.).



OECD.

Créditos: Jerzy Kubasik



No que se refere à intensidade do P&D (gastos domésticos brutos em P&D em relação ao PIB), Israel se destaca pela taxa mais alta do mundo: gastos com atividades civis de P&D equivalente a 4,5% do PIB. Ou seja, intensidade do P&D duas vezes a média da OCDE. Além de Israel, acima da média da OCDE em 2005, havia apenas Taiwan e Cingapura.

Segundo a OCDE, intensidade do P&D no Brasil é de 0,9% (dados para 2004). À semelhança do que ocorre nos países menos desenvolvidos da OCDE, nos países não-membros menos desenvolvidos a maior parcela das atividades de P&D é executada pelos setores governo e instituições de educação superior, por exemplo: Lituânia (79,6%),

Bulgária (78,5), Chipre (77,4%) e Índia (74,7%). Em contraste, em Israel, Eslovênia, Malta, China, Rússia, Taiwan, Cingapura, África do Sul e Hong Kong, mais da metade dos gastos domésticos com P&D é executado por firma do setor privado, que, ao criar novos produtos e técnicas produtivas, atuam como importante motor do crescimento econômico. No Brasil essa proporção é de cerca de 40%.


Nota do Managing Editor: a ilustração que figura nesta notícia não faz parte da matéria original e foi obtida em www.google.com.

IEDI, 29 de fevereiro, 2008.


 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco