Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
ARTIGOS DE OPINIÃO

Simpósio "Inserção da ciência na vida do país".


Oswaldo Luiz Alves
LQES - Laboratório de Química do Estado Sólido
IMMC - Instituto do Milênio de Materiais Complexos
Instituto de Química, UNICAMP


Na introdução mostramos que tanto o aumento da população mundial (6,7 bilhões de pessoas) quanto as impressionantes velocidades que o homem atingiu com suas máquinas (maior que 200.000 km/hora), na verdade tinham muito a ver com a apropriação do conhecimento científico. (Aqui utilizamos os dados de "O perfil da Ciência", de Leopoldo de Meis e Jacqueline Leta, para mostrar a evolução destes dois exemplos desde tempos imemoriais até os nossos dias.)

Discutimos também sobre a questão do "Laboratório" como lócus privilegiado, ou seja: a existência de lugares como este, protegidos, em que o "real" é filtrado segundo as normas dos paradigmas, que permite dar às Ciências o porte de um discurso universal" (concordando com Gérard Fourez). Neste momento, frisamos que "Muitas tecnologias são aplicações daquilo que foi bem sucedido em laboratório se estabelecendo a partir daí sua relação com a sociedade".

Colocamos a seguir que segundo, a nossa opinião, a ciência tinha pelo menos dois principais imperativos: garantir o progresso e expansão do conhecimento e contribuir para a solução de problemas gerais da Humanidade.

Em seguida, comentamos acerca das convergências entre Ciência e Tecnologia, exemplificando com a questão da Nanotecnologia que é nano-cogno-info-bio-filo, etc., e a idéia de que: "A Ciência não serve somente para ensinar as coisas que a humanidade ignora, ela serve também para ensinar ao indivíduo as coisas que a humanidade sabe, mas que o indivíduo ignora".

A partir deste momento passamos a trabalhar aspectos ligados à singularidade da Química, na qual "cada disciplina corresponde à uma atividade no setor industrial", sendo que no novo cenário mundial "o Brasil têm necessidade de engajar-se em um processo de evolução acelerada, que permita mudar, a médio prazo (10 anos talvez), mais do que nos 50, 100 e, quem sabe, nos 500 anos precedentes.

Nesta linha, enfatizamos que "este processo não passa à margem da Universidade, pois se espera, inclusive, que uma parte importante do mesmo ocorra dentro deste espaço. Assim, o ensino, de modo geral, deverá passar por uma mutação na qual, de elitista e altamente minoritário, se converta em ensino de massa, com qualidade".

Passando pelo papel da universidade moderna, chegamos a uma mudança de paradigma na qual "As relações Universidade - Setor Produtivo, prática corrente nos países desenvolvidos, ainda são incipientes em nosso país. Uma das marcas do prenúncio de mudanças está em que as indústrias não podem mais produzir de forma economicamente competitiva, sem pessoal altamente qualificado, com forte formação básica, que domine processos conceituais de técnicas cada vez mais especializadas e sofisticadas".

Discutimos, rapidamente, o papel da tríade ciência, tecnologia e inovação usando como exemplo o desenvolvimento do etanol brasileiro.

A questão da necessidade da presença do espírito científico na vida do país e do cidadão foi destacada, quando colocamos que "os detalhes da vida corrente nos impelem a tomar decisões impulsivas ou intuitivas, que não repousam nem sobre uma informação válida, nem mesmo sobre qualquer tentativa pouco válida da informação".

Para finalizar apresentamos, sucintamente, a questão do papel da mídia como elemento importante na disseminação das idéias da ciência e da tecnologia e ainda a questão-chave envolvendo a satisfação lúdica do pesquisador e a "solubilidade" da ciência na sociedade, ou seja: para que? para quem? e quem ganha?


Nota do Managing Editor: este texto de autoria de Oswaldo Luiz Alves, serviu de base para a matéria "Apropriação do conhecimento científico", de autoria de Elisa Oswaldo-Cruz, publicado em Noticias da ABC - Ano II, n. 36 - 29 de julho de 2008. Este Simpósio fez parte da programação da 60ª. Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, realizado em Campinas (SP) e foi realizado no dia 14 de julho de 2008.


 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco