Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
DIVULGAÇÃO

Veneno da aranha marrom pode virar remédio.

As toxinas presentes em venenos e secreções de animais peçonhentos - as aranhas marrons, por exemplo - poderão ser usados como "modelos" para a fabricação de fármacos e medicamentos. Este é o principal objetivo do projeto "Biodiversidade, Toxinas e Aplicações Biotecnológicas", desenvolvido nos laboratórios da Universidade Federal do Paraná (UFPR), com apoio dos governos federal e estadual/Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior/Fundo Paraná.

Segundo o coordenador do projeto, professor Silvio Sanches Veiga, da UFPR, a descoberta de uma toxina com potencial patenteável e de valor comercial poderia gerar inclusive a instalação de uma fábrica de fármacos e medicamentos no Estado.




Espécimen de Aranha Marron usada na pesquisa realizada na UFPR.


A equipe do projeto já identificou até agora três toxinas do veneno da aranha marrom e uma toxina no veneno da lagarta Lonomia, que também possui grande potencial farmacêutico. "Através de técnicas de Biologia Molecular estamos procurando produzir essas toxinas de maneira recombinante, ou seja, a partir de grandes quantidades de bactérias", informa o professor.

"Tudo indica que também poderemos ter alguma coisa na área de anti-inflamatórios e talvez na de câncer. É provável ainda que cheguemos até os agentes anti-hipertensivos", afirma. Veiga diz ainda que a literatura científica tem mostrado vários exemplos de resultados com sucesso nesta área. O Estado de São Paulo, em conjunto com a Fapesp, por exemplo, tem investido forte nesta área, assim como o Instituto Butantã, que já recebeu algo em torno de 10 dez milhões de reais para desenvolver projeto similar, lembra o professor.


Nota do Managing Editor: Essa matéria foi primeiramente veiculada no site Paraná On-line (www.paranaonline.com.br), em 16 de setembro de 2004, na secção Reportagens.

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco