Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
DIVULGAÇÃO

Insetos também contribuem na luta contra o câncer.

Instalada desde 1999, em Ilkirch-Graffenstaden, nos arredores de Estrasburgo (França), a empresa Entomed vem realizando pesquisas visando à produção de medicamentos inspirados na biodiversidade dos insetos. Pioneira nessa área, informa o diretor presidente da empresa, o farmacêutico Jean Combalbert, que nos últimos meses vem conseguindo obter "resultados promissores" com moléculas anticancerígenas, usando "dois programas bastante avançados com moléculas muito ativas, particularmente contra as células cancerosas".

Inicialmente os pesquisadores privilegiaram pesquisas com peptídeos antiinfecciosos (substâncias protéicas formadas por um número restrito de aminoácidos e que exercem funções específicas no organismo), pequenas proteínas produzidas naturalmente pelos insetos para se proteger contra as infecções fúngicas ou bacterianas. Aliás, quase chegaram à fase de ensaios clínicos para alguns de seus antibióticos, contudo, esbarraram com problemas de ordem econômica, principalmente os altos custos de produção, tendo que - no final de 2002 -, abandonar o projeto.

Após dois anos, a Entomed volta-se novamente para as "pequenas moléculas", também oriundas de insetos, especialmente para aquelas que podem vir a intervir positivamente no tratamento do câncer. Precavido, Combalbert diz que, "no momento, fala-se de moléculas anticancerígenas ou antiproliferativas", uma vez que ainda "é bastante cedo para que se seja mais preciso". Cedo também, acrescenta ele, principalmente para que se identifique um tipo de câncer que o futuro medicamento poderá combater. Contudo, acredita que os ensaios clínicos poderão começar a ser realizados em 2006, no segundo semestre.


Alguns dos insetos da Entomed podem estar aqui!


A identidade dos insetos em estudo é mantida em sigilo absoluto pela empresa que, não obstante sua posição de líder mundial nessa área de pesquisas, necessita de parceiros principalmente para as fases de experimentação com pacientes e para a produção dos medicamentos.

Diz o farmacêutico que, "a ambição de uma pequena empresa (como a Entomed) é vir a ser uma fonte de novas moléculas para a indústria farmacêutica, e, em caso algum, ser uma empresa farmacêutica enquanto tal". Para dar continuidade ao desenvolvimento de suas pequenas moléculas, a empresa necessita de um aporte financeiro de 10 a 12 milhões de dólares.

Mesmo frente a esse quadro, Combalbert afirma que a situação não é alarmante, uma vez que a pesquisa de medicamentos é longa e difícil, e todas as empresas de biotecnologia enfrentam dificuldades de financiamento. Em 2000 a empresa conseguiu levantar 20 milhões de euros (cerca de 26 milhões de dólares).

A Entomed "aposta" nos insetos! Espera fazer face às suas necessidades, conseguindo novas parcerias, especialmente porque tem nas mãos um trunfo valiosíssimo: uma "entomoteca", que referencia 14.000 moléculas puras, diretamente extraídas de insetos ou inspiradas neles.

Mais informes podem ser obtidos no site da AFP (http://fr.news.yahoo.com), consultado em 16 de novembro de 2004 (Tradução/Texto - MIA). A figura ilustrativa desta matéria não consta do original. A mesma foi obtida no site www.google.com.

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco