Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
DIVULGAÇÃO

Rumo aos fios condutores moleculares.


Quando se diz que determinados sólidos apresentam propriedades de eletroluminescência, está-se falando da propriedade que os mesmos têm de emitirem luz quando percorridos por uma corrente elétrica (este efeito é utilizado nos diodos e lasers baseados em semicondutores).

A descoberta, há dez anos, da eletroluminescência de um polímero conjugado acabou por dar origem a numerosas pesquisas sobre o assunto. O controle das interações moleculares é um dos principais temas de pesquisa, isto devido ao fato de as mesmas serem cruciais para a exploração dos semicondutores orgânicos.

Os semicondutores orgânicos passaram a despertar grande atenção tanto por parte da eletrônica orgânica, quanto dos fabricantes de dispositivos nanométricos, estes, interessados na manipulação e incorporação de uma molécula única em seus dispositivos.

É bom que se saiba que nos PLEDs - Polymer Light-Emitting Devices: Dispositivos Poliméricos Fotoluminescentes, elétrons e buracos são injetados no polímero semicondutor a partir de um cátodo e de um ânodo. Os elétrons e buracos devem, em seguida, ser transportados através do polímero e se combinarem para, assim, formarem um estado superexcitado que emite a luz.

A fim de obter as melhores performances, o polímero não só precisa apresentar uma boa mobilidade de buracos e elétrons, como também uma eficácia elevada de conversão de cada estado excitado em fóton. Ora, se as interações eletrônicas intermoleculares favorecem uma boa mobilidade dos portadores, reduzem a eficácia de emissão. Trata-se, portanto, de controlar finamente tais interações; os pesquisadores procuram metrizar as interações p-p que favorecem a formação de estados excitados intermoleculares, podendo conduzir à redução ao mesmo tempo da eficiência da fotoluminescência e do gap de energia. Tais interações são particularmente indesejáveis quando se deseja fabricar dispositivos que emitem no azul, uma vez que elas deslocam a emissão para o vermelho.

Uma equipe de pesquisadores das universidades de Cambridge, Oxford, UCL e Berlim (Universidade de Humboldt) acabam de dar um passo conseqüente na direção do domínio das interações intercadeias: utilizaram a química supramolecular para controlar a estrutura de materiais orgânicos eletroativos. Lograram sintetizar os primeiros exemplos de verdadeiros polirotaxanos. Estas supramoléculas são, de algum modo, um "colar de pérolas" macromolecular, obtido enfiando-se várias moléculas cíclicas (na ocorrência de macrociclos de a e b ciclodextrinas que consistem, respectivamente, de seis e sete anéis de glucose) ao longo de uma cadeia polimérica semicondutora (neste caso, o poli-para-fenileno, ou PPP, do poli(4,4-difenilenovinileno) ou PDV e o polifluoreno, ou PF). Para evitar o desenfileiramento dos macrociclos em solução diluída, grupamentos volumosos são acrescentados no fim da cadeia. As supramoléculas assim obtidas são fios moleculares isolados, que apresentam as mesmas propriedades semicondutoras e ópticas que as cadeias não isoladas. Grandes regiões da cadeia polimérica não são cobertas pelos macrociclos, ficando, portanto, expostas: isto poderia explicar porque uma condutividade elétrica satisfatória é mantida, a despeito do isolamento supramolecular.



Figura esquemática de um pseudopolirotaxano. Quando grupos volumosos são colocados nas extremidades da cadeia (em vermelho), impedindo a saída das contas (em zul) têm-se os chamados polirotaxanos.


São múltiplas as vantagens da abordagem feita pela equipe. Primeiramente, os pesquisadores observaram um aumento da luminescência e um deslocamento do comprimento de onda da emissão para o azul. A seguir, mantendo os sistemas cofaciais p a uma distância mínima, determinada pela espessura dos macrociclos, a tendência à agregação é reduzida: isto é fundamental para o desenvolvimento de nanoestruturas eletrônicas moleculares. Em terceiro lugar, os grupos ativos são efetivamente encapsulados em um ambiente protegido, o qual aumenta a estabilidade da molécula, tornando-a menos sensível às impurezas. Finalmente, a grande solubilidade das supramoléculas na água permite obter filmes pela técnica de spin coating, sem a utilização de solventes tóxicos, abrindo caminho a procedimentos e estruturas biocompatíveis.

A eficácia dos PLEDs fabricados pelos pesquisadores ainda é pequena, daí porque os mesmos misturam os materiais utilizados com outros polímeros, a fim de obter melhor mobilidade dos portadores e rendimentos de eletroluminescência mais elevados. Além disso, como os contracátions lítio têm tendência a migrar nos PLEDs, os pesquisadores, atualmente, dedicam-se a fabricar versões não-iônicas destas estruturas.

Nota do Scientific Editor: Este texto é uma tradução/adaptação do original, feita por Maria Isolete Alves (MIA), Managing Editor do LQES Website, e foi veiculado na Nature Materials, vol. 1, no. 3, November 2002 e Chemical and Engineering News (pubs.acs.org/cen). A ilustração aqui apresentada não consta do material original. É fruto de pesquisa feita no www.google.com.

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco