Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
DIVULGAÇÃO

Indústria investe mais em inovação.


Uma em cada três empresas industriais brasileiras investe em inovação tecnológica para ganhar competitividade e elevar lucros. Em 2005, 2,8% de todo o faturamento líquido do setor foram destinados à inovação, apurou a Pesquisa de Inovação Tecnológica, uma parceria entre o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e o Ministério da Ciência e Tecnologia.

Foi um leve aumento em relação ao resultado anterior, de 2003: 2,5%, mas revela "uma tendência de crescimento salutar" em modernização, na opinião da gerente da pesquisa, Mariana Rebouças.

A técnica reconhece, porém, que o Brasil ainda está muito longe de países como a Alemanha que, com 5% da receita das empresas investidos em inovação é considerada benchmark (paradigma de desempenho) mundial. "A indústria brasileira ainda está longe da dos países de ponta. Mas não estamos mal na fotografia", diz Mariana. A taxa que reúne investimentos em inovação de produtos, aperfeiçoamento de processos de produção e projetos em andamento revela que a parcela de empresas que inovam é de 35,62% sobre o total.





Petroquímica é um dos setores que mais inovou.


Continua muito inferior à taxa alemã (73,66%), mas já se aproxima de países como Espanha (36,54%), França (36,17%) e Itália (37,49%). Segundo a equipe técnica do IBGE, a metodologia usada nos levantamentos desses países é similar à brasileira, o que permite a comparação. O Brasil tem taxa de inovação inferior também à da Noruega (43,53%) e Suécia (54,67%).

São Paulo, o maior parque fabril do País, reúne 35,3% das empresas industriais que investem em inovação. Essa parcela respondeu, em 2005, por mais da metade (55,6%) de todos os investimentos nesta área. Setores intensivos em tecnologia continuam concentrando a maior parte dos casos pesquisados: 97,6% das empresas de pesquisa e desenvolvimento inovaram; na informática, a taxa foi de 57,6% e em telecomunicações, de 45,9%. Também na indústria de transformação com alto grau de tecnologia, como fabricação de veículos, (71,1%), equipamentos de instrumentação hospitalar, cronômetros e relógios (68%) e refino de petróleo (62,4%), as taxas foram excepcionais. Mas o cenário macroeconômico mais favorável começa a espalhar os investimentos em modernização e aperfeiçoamento para outros setores. Nos intervalos das pesquisas desenvolvidas pelo IBGE, entre 2001 e 2003 e 2003 e 2005, houve aumento nas taxas de inovação em 21 das 33 atividades industriais pesquisadas. A expressiva melhoria do cenário macroeconômico em 2005, em relação a 2003, e a manutenção das condições favoráveis no cenário mundial deram suporte a essa estratégia empresarial. Mesmo assim, houve certa estabilidade na taxa média de inovação, causada basicamente pelas atividades que acusaram retração, a maioria constituída de empresas de pequeno porte.

Para competir, alguns setores foram impelidos a inovar. É o caso da indústria têxtil. "A modernização têxtil investe em nanotecnologia a ponto de oferecer ao mercado, por exemplo, toalhas felpudas que hidratam o corpo ao mesmo tempo que enxugam, uniformes que não deixam odor e eliminam o suor. É muito interessante", diz Mariana, explicando que são atestados como esforço inovativo desde projetos de ponta, "que ampliam a fronteira do conhecimento", até pequenos processos de modernização.

Agência Estado, 01 de agosto de 2007 (Colaborou Jacqueline Farid).


Nota do Managing Editor: a ilustração que figura neste texto não faz parte da matéria original e foi obtida em www.google.com.


 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco