Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
EDITORIAIS

Nada de Química. Nada de Física.
Editorial de Rudy M. Baum, Managing Editor da Chemistry & Engineering News. Publicado no C&EN, 3 de setembro, 2001

Talvez tenha chegado a hora de jogar a toalha! Mas... jogar a toalha, por quê? Estamos perdendo alguma batalha? Sim, aquela de convencer o grande público da significativa contribuição que a Química vem aportando ao bem-estar da humanidade!

Estou sendo por demais pessimista? Você acha mesmo? Então, veja estes dados! A reportagem de capa da Revista Time, 20 de agosto, é intitulada: O Melhor da Ciência e da Medicina na América. Nela, os editores "focalizaram os campos mais excitantes de pesquisa" e, então, procuraram pelos "homens e mulheres que estão fazendo as pesquisas de ponta nesses campos".

A Revista coloca em evidência 18 pessoas, nas seguintes áreas: biologia celular; origem humana; psicologia infantil; pediatria; genômica; cardiologia; oncologia; climatologia; ecologia; AIDS; astrofísica; paleontologia; engenharia biomédica; neurobiologia; morte celular; doenças da coluna e mecânica molecular.

Estaria faltando alguma coisa? Bem, sempre considerei que dois ramos de destaque na Ciência fossem a Química e a Física. No entanto, nenhum dos dois figura na lista.

Já sei, já sei. Você dirá que a Revista cita um astrofísico. Pergunto: a astrofísica é, no momento, o interesse central da Física?

O engenheiro químico Robert Langer mereceu destaque por seu revolucionário trabalho em "liberação de drogas". É muito grande nossa admiração por Bob Langer. Ficamos contentes que tenha tido seu trabalho reconhecido. Contudo, o artigo da Time sugere enfaticamente que os engenheiros químicos trabalham para companhias de petróleo, tendo o sucesso de Langer ocorrido porque o mesmo se distanciou da engenharia química. Na verdade, e isso é notório, seu sucesso realmente se deve a seu brilho como engenheiro químico e como químico.

Há 1 (hum) químico na lista: Carlos Bustamante, Professor de Química da Universidade da Califórnia (Berkeley). Ele é citado na categoria mecânica molecular pelo seu uso de laser e microscopia de força atômica, na manipulação física de DNA e proteínas. Observa-se, no entanto, quão notável é o esforço feito pela Revista para evitar o uso das palavras "químico" e "Química". Bustamante é identificado como um "investigador do Instituto Médico Howard Hughes", em Berkeley. Não se coloca, aqui, qualquer dúvida quanto à excelência da Instituição. Contudo, observe que a identificação de Bustamente, conforme feita, transforma o único químico do panteão da Time num "pesquisador médico".

Para a Time (e para a maioria de seus leitores), infelizmente, ciência, hoje, é apenas a Medicina.

Das 18 categorias identificadas na Revista como sendo os campos mais excitantes de pesquisa, pelo menos 6 são especificamente médicas. Outras 8 são biológicas - com ênfase primária no avanço das fronteiras da Medicina. O prêmio de "realização da geração" foi concedido ao mais influente biólogo do século 20: Edward O. Wilson, de Harvard. Somente 3 categorias - climatologia, astrofísica e mecânica molecular estão fora da arena de pesquisa biológica/biomédica.

Os 18 cientistas citados na Time são, certamente, dignos de reconhecimento. Meus argumentos não objetivam, de forma alguma, uma crítica negativa a qualquer esforço científico de primeira linha. Mas a Time, neste número, coloca duas equações destrutivas:

CIÊNCIA = BIOLOGIA

FRONTEIRA = PROGRESSO MÉDICO

Estou convicto de que nenhum cientista, inclusive aqueles reconhecidos pela Time, aceita qualquer dessas equações como verdadeiras.

Contudo, ao propo-las, a Time presta um desserviço à Ciência. Além disso, essa prestigiosa publicação prejudica a compreensão pública quanto à interconexão e dependência mútua entre as ciências básicas - especialmente a dependência da Biologia dos avanços da Química e da Física.

Não sei qual o melhor a ser feito neste caso! Mas acredito que, talvez, alguém devesse escrever uma carta ao editor da Time. Nós, aqui da Chemistry & Engineering News, certamente, não estamos jogando a toalha. Continuaremos noticiando todas as semanas aquilo que da melhor química está sendo feito nos Estados Unidos e em todo o mundo. Continuamos esperando que, finalmente, se compreenda que, uma boa parte da ciência de fronteira de nossos dias está sendo feita por químicos.

Rudy M. Baum, Managing Editor da Chemistry & Engineering News. Publicado no C&EN, 3 de setembro, 2001.


Nota: Este Editorial é uma tradução livre do Prof. Paulo Sérgio Santos, do Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Colaborador do Website LQES.

Veja mais sobre a questão da Imagem da Química, na rubrica Pontos de Vista - Artigos de Opinião

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco