Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
ENTREVISTAS

Entrevista exclusiva ao LQES NEWS, de Evando Mirra, Diretor de Inovação da ABDI - Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial.






Evando Mirra de Paula e Silva, nascido em Andrelândia (MG), em 1943. B.Sc. (Engenharia Mecânica e Elétrica), UFMG (1965); M.Sc. (Ciência e Engenharia de Materiais), COPPE, UFRJ (1968); Docteur ès Sciences, Université de Paris, França (1972); Aperfeiçoamento (Management of Quality and Productivity), George Washington University, USA (1984); Pesquisador Visitant: Universidades de Tóquio, Japão (1984), Berkeley, EUA (1988) e Compiègne, França, (1994-1996). Orientou 26 teses na pós-graduação e 50 alunos de iniciação científica. Desenvolve atividade de pesquisa nas áreas de transformações de fase nos materiais, interação gás-metal e engenharia de superfícies. Seus principais trabalhos incluem: determinação dos mecanismos de deformação de ligas superplásticas, fenômenos de envelhecimento após deformação e suas implicações no comportamento mecânico dos aços e dos metais hexagonais compactos, aços inoxidáveis ferríticos de nióbio e titânio, ligas ferro-silício, chapas para estampabilidade com bake-hardening, ligas titânio-níquel com memória de forma, mecanismos de precipitação em aços-silício de grão orientado para fins elétricos e magnéticos. Professor Emérito da UFMG. Pró-Reitor de Pesquisa da UFMG (1986). Vice-reitor da UFMG (1990-1994). Presidente do Centro Tecnológico de Minas Gerais - CETEC/MG (1998). Presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq (1999-2001). Membro da Academia Brasileira de Ciências. Comendador da Ordem de Rio Branco - Ministério das Relações Exteriores. Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico - Presidência da República do Brasil. Membre d'Honneur - Société Française de Métalurgie et des Matériaux (1995). Presidente do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos - CGEE (até 2006). Atualmente é Diretor de Inovação da ABDI - Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial.



LQES - Dr. Mirra, o Senhor passou longo tempo à frente do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, aliás, desde a fundação do mesmo. Em sua opinião, quais os pontos altos do CGEE em sua trajetória?

EM - O Centro de Gestão e Estudos Estratégicos é uma instituição nova, criada dentro do esforço empreendido pelo MCT, na gestão do ministro Ronaldo Sardenberg, de diversificação e modernização das estratégias de ciência e tecnologia no país. O resultado mais visível desse esforço foram certamente os Fundos Setoriais. Mas a própria concepção e implantação dos Fundos já exigiram a construção de fóruns de debate, para definição cuidadosa das questões em jogo, entendimento do contencioso, explicitação das divergências e construção de convergências. O CGEE foi criado com a missão de conferir permanência a esses processos, contribuir para a consolidação das atividades de prospecção e fornecer subsídios para o estabelecimento de programas mobilizadores e ações estratégicas em ciência, tecnologia e inovação. Nessa trajetória o CGEE trouxe também o seu apoio à Presidência da República e a diversos órgãos públicos e instituições privadas, interessados nos múltiplos caminhos em que se dá a inserção do conhecimento na agenda contemporânea do país. Acredito que o CGEE tenha trazido contribuições relevantes em questões como energias renováveis, nanotecnologia, acesso e utilização sustentável da biodiversidade. Mas talvez o mais interessante sejam as novas formas de inserção de CT&I na agenda nacional trazidas por instituições de interface como o CGEE.


LQES - O CGEE atuou fortemente no campo da prospecção de áreas e oportunidades em C&T&I. Perguntamos: qual a importância deste trabalho na definição e formatação de políticas para as diferentes áreas e setores?

EM - Estou convencido de que aí estamos no caminho certo. A forte mobilização de competência promovida pelo CGEE, em que o próprio LQES esteve envolvido, tem contribuído para formatar programas e organizar agendas relevantes de CT&I no país. Esta prática já se tornou corrente nos países avançados e deverá assumir um papel cada vez mais significativo. Trata-se sempre de um esforço coletivo, em que se busca gerar e organizar informação, transformar informação em conhecimento e transformar conhecimento em compromisso. Por isso, exige o envolvimento de múltiplos atores, representativos do ambiente acadêmico, do setor empresarial e do universo político. Os entendimentos assim construídos têm se mostrado preciosos para a implantação de programas e definição de ações mobilizadoras.

LQES - Sua atuação tem sido constante e significativa nas Conferências Nacionais de C&T&I. Em sua óptica, qual - ou quais -, os principais resultados decorrentes deste tipo de evento?

EM - Na medida em que as estratégias do país incorporem cada vez mais a dimensão conhecimento na abordagem dos problemas e na busca de soluções geradoras de riqueza e de desenvolvimento, espaços como aqueles fornecidos pelas Conferências se tornam cada vez mais essenciais. As Conferências representam momentos privilegiados para se dar visibilidade à questão científica e tecnológica na agenda do país, afinar a compreensão dessas questões, aferir os diferentes pontos de vista e construir uma visão compartilhada, propor novas soluções e construir alianças para o encaminhamento efetivo das propostas. Cada Conferência exige etapas preparatórias, que se desenrolam por vários meses e estão distribuídas pelo território nacional, onde se difundem informações, se elaboram diagnósticos, se estabelecem redes de trabalho e se firmam compromissos. O evento final, além de condensar esses esforços e permitir a organização de uma agenda, confere ainda maior visibilidade política ao lugar ocupado hoje por ciência e tecnologia na vida da nação.

LQES - Neste momento, o Senhor ocupa o cargo de Diretor de Inovação da ABDI - Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial. O Senhor poderia nos dar uma idéia de alguns dos objetivos específicos desta Agência e quais os seus maiores desafios?

EM - A Agência foi criada para lidar com as oportunidades geradas pelo estabelecimento da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior, e para contribuir na implantação da Lei de Inovação. São questões novas para o país, as mudanças não se fazem da noite para o dia, nem se passam por decreto. Pelo contrário, exigem um enorme esforço de informação, de convencimento e de articulação entre os diferentes atores - como empresas, universidades, centros de pesquisa, órgãos de governo e instituições financeiras - envolvidos. Alguns dos objetivos específicos estão vinculados à organização de programas de desenvolvimento setoriais e à definição de rotas tecnológicas adequadas para diferentes linhas da atividade econômica. Além disso, a ABDI está profundamente engajada no esforço de implantação das ações em áreas estratégicas para o país e na promoção das áreas portadoras de futuro, como a biotecnologia e a nanotecnologia.

LQES - A relação entre academia e setor produtivo ainda está longe de se configurar, em nosso país, como uma relação sinérgica, não obstante já poderem ser observadas mudanças importantes neste relacionamento. Como o Senhor analisa tal situação? Há possibilidade de modificação deste quadro a médio, ou mesmo longo prazo?

EM - Esta é de fato uma questão essencial e que exige tratamento cuidadoso. Temos, por um lado, nossas instituições universitárias e centros de pesquisa, com missões específicas, projetos próprios e complexos, e a obrigação de exercerem de forma competente o seu papel. A universidade, por exemplo, tem sua missão essencial articulada à preservação, produção e transmissão da cultura de um país, e à formação de cidadãos responsáveis e profissionais da mais alta competência nos diferentes campos do conhecimento. Temos, por outro lado, o parque empresarial encarregado dos produtos e serviços necessários à base material de subsistência e desenvolvimento da sociedade. São universos distintos, com tarefas específicas que não se confundem. Mas isso não significa que entre eles não deva haver diálogo. Pelo contrário, a experiência dos países avançados nos ensina como a excelência acadêmica é irmã da competitividade industrial, como a sinergia e a ressonância entre esses mundos gera benefícios mútuos e promove seu crescimento simultâneo. O quadro de isolamento, no Brasil, felizmente já vem sendo modificado e muitas das conquistas recentes do país representam ao mesmo tempo sucessos empresariais e avanço do projeto acadêmico. O notável sucesso da Petrobrás no domínio da tecnologia de águas profundas se fez, por exemplo, com o envolvimento de centenas de grupos acadêmicos de pesquisa. Estão ali muitos dos nossos cursos de pós-graduação de níveis seis e sete, tanto em computação de alto desempenho ou engenharia de estruturas, quanto em física, química ou ciências ambientais, em realidade em quase todo o leque de conhecimento. Esta é uma verdade universal. A convivência inteligente entre o universo acadêmico e o campo empresarial não apenas vitaliza, ao mesmo tempo, cada um deles, como parece ser ainda uma das condições fundamentais para a modernização e o crescimento dos países.


LQES - Uma pergunta final: como o Senhor vê, em nosso país, o futuro da Ciência, Tecnologia e Inovação?

EM - Não tenho dúvida de que já nos apropriamos da cultura da produção de conhecimento e de que, nesse aspecto, nosso futuro científico se apresenta muito promissor. Mas, para que realize plenamente seu potencial, é necessário ainda que se cumpra o que múltiplos sinais têm anunciado (basta lembrar a forma de participação da indústria na última Conferência Nacional de CT&I), e que o país incorpore de fato tecnologia e inovação como estratégias decisivas para a construção de seu destino.

LQES NEWS - Doutor Mirra, muito obrigado e grande sucesso em seu trabalho.


Nota do Managing Editor: entrevista feita pelo Professor Oswaldo Luiz Alves - Coordenador do Laboratório de Química do Estado Sólido (LQES) e Editor Científico do LQES Website e do LQES NEWS -, em julho de 2006.

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco