Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
 alunos e alumni 
alunos

alumni

cadastre-se
 
ALUMNI 

Luis Augusto Visani de Luna, Doutorado (2018)
email: luisvisani@gmail.com

Estudo das interações célula-nanomaterial utilizando modelos de macrófagos murinos e nanomateriais a base de óxido de grafeno e nanopartículas de prata.


Resumo

O óxido de grafeno (GO) é um nanomaterial de carbono bidimensional produzido a partir da oxidação do grafite e representa uma excelente plataforma para carreamento de nanopartículas de prata (AgNPs). Estudos prévios demonstraram que o nanomaterial híbrido, GOAg, apresenta excelente atividade antibacteriana, no entanto, o sucesso da translação deste nanocompósito para a medicina e sua futura regulamentação dependem de informações como o seu perfil toxicológico. Assim, o objetivo deste trabalho foi utilizar macrófagos murinos de linhagem (J774) e macrófagos primários obtidos do peritônio de camundongos BALB/c, como modelos de estudo na avaliação toxicológica do nanocompósito. Este objetivo foi alcançado após a síntese e caracterização dos nanomateriais, avaliação da sua interação com os macrófagos e citotoxicidade, bem como a investigação do seu potencial inflamatório. O efeito da ativação dos macrófagos foi observado na inflam ação, na toxicidade dos nanomateriais e na produção de espécies reativas de nitrogênio (NOx). A toxicidade do nanocompósito GOAg foi mais elevada quando comparada com os nanomateriais pristinos. A toxicidade foi dose- e tempo-dependentes tanto para os macrófagos de linhagem, quanto para os macrófagos primários, e as IC50 obtidas estiveram dentro do limite de ação observado para inativação de bactérias. Apesar da citotoxicidade observada, o nanocompósito apresentou características importantes para aplicações em nanomedicina. Por exemplo, as células foram capazes de internalizar o nanocompósito, e este não apresentou potencial inflamatório nas condições avaliadas. O microambiente inflamatório, após a ativação dos macrófagos primários, não elevou a produção de citocinas inflamatórias e/ou anti-inflamatórias e também não interferiu na produção de NOx após exposição ao GOAg. Sugerimos alternativas para o aprimoramento do nanocompósito que poder ão contribuir para o desenvolvimento de nanomateriais antibacterianos à base de GO e de nanopartículas metálicas. Por fim, esta Tese esteve alinhada com dois importantes conceitos estabelecidos pela Comunidade Europeia: “Safe-by-Design” e “Science to regulation” que enfocam tanto as boas práticas nos estudos envolvendo nanotecnologias, como a avaliação de risco para minimizar os impactos para a saúde humana.

[CNPq]

 © 2001-2018 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco