Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes cultural
ano internacional da Química

arte e ciência

cultura das ciências

links culturais

 
CULTURA DA QUÍMICA

Quando Pitágoras nasceu, o teorema já tinha sido usado 2 mil anos antes.


Pitágoras de Samos é conhecido pelo seu teorema, uma fórmula que se aplica aos triângulos retângulos, em que a “hipotenusa é a soma dos quadrados dos catetos”. Mas, aparentemente, Pitágoras goza da fama sem ter sido o verdadeiro criador.

O famoso Teorema de Pitágoras pode se aplicar a Stonehenge, o monumento pré-histórico constituído por círculos de pedras, localizado no Reino Unido. A recente teoria é apresentada no recente livro Megalith: Studies in Stone.



Stonehenge não foi construído em um dia, e com certeza o Teorema de Pitágoras também não. Mas será essa a única semelhança entre o monumento e a fórmula matemática? Pesquisadores defendem agora que o teorema foi aplicado na construção do monumento, 2 mil anos antes do nascimento do matemático.

Créditos: pxhere


O astrônomo britânico Robin Heath e sete outros pesquisadores usaram a geometria dos blocos de Stonehenge para sugerir que seus criadores sabiam os princípios do teorema, que já teria sido usado durante o período Neolítico.

O Teorema de Pitágoras é extremamente útil na construção de monumentos, para mapear constelações ou, até, dividir a Terra. Por esse motivo, não é de se admirar que os pesquisadores tenham reparado nos sinais do uso do teorema entre as culturas babilônicas, chinesas antigas e indianas védicas.

Chegamos assim à conclusão que o motivo pelo qual chamamos de Teorema de Pitágoras esta arma preciosa da matemática é meramente um acidente histórico do que outra coisa qualquer.

Na verdade, temos tendência em olhar para nossos ancestrais como homens das cavernas, quando eram verdadeiros astrônomos e cosmólogos, que estudavam ciclos lunares e solares mesmo antes de começarem a planejar a construção do monumento.

No livro, os autores afirmam que os monumentos eram construídos por astrônomos que entendiam das fases lunares, solares e dos ciclos de eclipses. Dessa forma, explicam, foram capazes de construir um calendário de pedra gigantesco, recorrendo a geometria muito complexa.

Em Stonehenge, há um grande triângulo retângulo que merece atenção, dado que sua forma de construção foi propositada para que fosse possível assinalar algumas datas no calendário da época, como solstícios de verão e inverno e equinócios de outono e primavera.

Além disso, diz o autor Robin Heath ao Telegraph, os pesquisadores encontraram 56 estacas ou pedras em volta de Stonehenge que poderiam ter sido utilizadas para prever eclipses e mostrar as posições do Sol, da Lua e as fases lunares.

O Woodhenge, a poucos quilômetros do Stonehenge, foi mais um monumento construído com base em um triângulo pitagórico (sem que, no entanto, Pitágoras tenha interferido). Esses triângulos foram ainda encontrados em outros locais, como no interior de um tempo druida em Inverness e no monumento Castlerigg, em Keswick.

A verdade é que os “construtores” não deixaram grandes registros de suas descobertas matemáticas. Relações numéricas escondidas em estruturas de pedra são um tema interessante para os historiadores, e, apesar de fornecer sinais claros de conhecimento e desenvolvimento cultural, podem também ser invenções da própria imaginação.

Não sabemos por que o nome de Pitágoras foi o escolhido para combinar com a palavra “teorema”, nem tampouco se os astrônomos construtores de Stonehenge foram os verdadeiros cérebros por trás dessa fórmula matemática.

Ainda assim, descobrir uma fórmula tão útil aplicada a essa estrutura de pedra fornece surpreendentes pistas sobre como as diversas culturas desenvolveram suas próprias ferramentas matemáticas para serem usadas na construção, nas viagens e até no entretenimento.

Ciberia. Jun 26, 2018.



 © 2001-2019 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco