Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
 alunos e alumni 
alunos

alumni

cadastre-se
 
ALUMNI 

Norberto Aranha, Doutorado (1994) 

Vidros Niobofosfatos: Preparação, caracterização e propriedades

Resumo

Neste trabalho estudou-se o sistema vítreo P2O5-PbO-Nb2O5-K2O, observando principalmente a atuação do óxido de nióbio na estrutura do material. Para isto manteve-se praticamente constante as concentrações de P2O5 e K2O, variando as de PbO e Nb2O5.

As diversas composições foram sintetizadas através da fusão dos reagentes, utilizando-se um forno de indução de rádio freqüência de 5 MHz, numa temperatura de 1340 0C.

Utilizou-se a difratometria de raios-X na identificação das amostras que apresentaram estrutura desordenada (amorfa). Em seguida tais amostras foram caracterizadas pelas seguintes técnicas: picnometria de gás (He), dilatometria, análise térmica diferencial (DTA) e medidas de índice de refração (ângulo de Brewster).

Estas medidas possibilitaram a obtenção de parâmetros típicos de vidros, tais como: densidade (r), coeficiente de expansão térmica (a), temperatura de transição vítrea (Tg), temperatura de "softenning dilatométrico" (Td), temperatura de cristalização (Tc) e o índice de refração (n0). Foram ainda obtidas informações quanto a estabilidade da fase vítrea e o efeito da concentração de Nb205 nas características do vidro.

Informações detalhadas quanto à estrutura do material foram obtidas através do uso de técnicas de curta distância: espectroscopia infravermelho, espectroscopia Raman e espectroscopia de ressonância magnética nuclear de 31P com ângulo mágico. Tais técnicas possibilitaram constatar a participação do nióbio na estrutura do vidro, compartilhando com o fósforo a condição de formador da rede vítrea.

Estudos de estabilidade térmica e durabilidade química, comprovaram o papel do nióbio na estabilização da estrutura vítrea. Concentrações de Nb2O5 acima de 20 mol % inibiram fortemente o ataque ácido e básico das amostras. As amostras tratadas termicamente somente apresentaram sinais de cristalização acima de 6000C por várias horas.

Com a finalidade de verificarmos a potencialidade do sistema P2O5-PbO-Nb2O5-K2O na produção de dispositivos ópticos, visando a utilização no campo das comunicações ópticas, realizamos experiências de incorporação de terra-rara (Er2O3) e troca iônica. Nas experiências de incorporação de Er2O3, onde introduziu-se até 2 % em massa de Er2O3, verificou-se a ausência de cristalização frente este nível de dopagem. Foram também obtidos espectros de luminescência onde todos os picos esperados para o Er+ foram observados.

Nas experiências de troca iônica entre o vidro e uma solução fundida de sais, envolvendo o par Na+/Ag+, o sistema acima mostrou-se muito eficiente. Puderam ser obtidos guias de onda planares com diferentes números de modos guiados.

[Telebrás]

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco