Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
 lqes responde
H1N1

sopa primordial

propriedade intelectual

o que é uma nanopartícula?

elips˘metro

lápis-lazuli

cosméticos

genéricos

cartilha de produtos clandestinos

controle de produtos químicos

água grau reagente

reprografia e direito autoral

caderno de laboratório


recomendações de segurança

pilhas e baterias: descarte

nomenclatura e símbolos IUPAC

acrônimos

glossário lqes

abreviaturas de periódicos

conheça um laboratório

redigir trabalhos científicos

o que são patentes?

 
O que é a sopa primordial.


A sopa primordial é uma mistura teórica de compostos orgânicos que podem ter dado origem à vida na Terra. Quando se quer explicar como os organismos vivos apareceram na Terra, muitas vezes se lança mão da teoria da sopa primordial, que parece ser a explicação científica mais plausível.

Quando de sua formação, a Terra não tinha qualquer material orgânico. Mas, estamos aqui - bilhões de anos depois -, demonstrando que, em algum momento, material inorgânico transformou-se em material orgânico. O processo é conhecido como "abiogênese" (a-bio-gênese": origem não biológica), o que, teoricamente, seria extremamente difícil.

As condições na Terra, em seus primórdios, eram muito diferentes das condições atuais. A atmosfera não tinha oxigênio, sendo rica em hidrogênio, amônia, metano e água. Conforme a teoria da sopa primordial, essas substâncias foram preparadas para produzir aminoácidos, os quais teriam sido capazes de se combinar para criar material orgânico que, eventualmente, poderia ter dado origem à vida. A fim de que isso ocorresse, era necessário ter havido um catalisador; os aminoácidos não apareceram espontaneamente.

Pesquisas sugerem que um raio ou calor pode ter servido de "gatilho" para que se desse a formação de aminoácidos a partir de compostos inorgânicos no ambiente da Terra, gerando a sopa primordial e tornando o cenário propício ao desenvolvimento de organismos vivos. Em 1953, com a publicação do famoso Miller-Urey Experiment, no qual os pesquisadores fizeram uma réplica das condições e conseguiram produzir aminoácidos, a teoria saiu fortalecida. Os pesquisadores descobriram que quando os componentes da atmosfera primitiva da Terra eram selados em frascos de vidro, os materiais aquecidos e submetidos a descargas elétricas, os aminoácidos de fato emergiam.





Visão artística da "Sopa Primordial". Pintura do artista americano Kevin Stevens.

Créditos: Fine Art America.


A vida na Terra não saltou da sopa primordial para organismos complexos. O processo teria sido bastante gradual. Os ácidos aumentaram a sua complexidade e juntaram-se uns aos outros de diferentes maneiras. Quando surgiram os organismos vivos, eles tiveram um impacto direto sobre o ambiente e, subseqüentemente, sob sua própria evolução, sobretudo quando os organismos iniciaram a fotossintetização e a produção de oxigênio como subproduto. A produção de oxigênio mudou a atmosfera tão radicalmente, que as condições nas quais primeiramente foi criada a vida na Terra não seriam capazes de ser replicadas no moderno ambiente natural.

O suporte para o conceito de uma sopa primordial, que teria servido como uma incubadora para a vida, vem de diversos experimentos, juntamente com uma extensa pesquisa feita em amostras geológicas que podem fornecer indícios de como a atmosfera da Terra era nos primeiros anos do planeta. Os pesquisadores descobriram que os aminoácidos são precursores dos ácidos nucléicos, que atuam como blocos de construção da vida. Os ácidos nucléicos estão constantemente mudando e se adaptando, e, assim, periodicamente se combinam para formar algo inteiramente novo.

Wise Geek (Tradução - MIA).


 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco