Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Criada uma armadilha para os intermediários reacionais: nanogotas de hélio superfluido.

Se a vida dos químicos, há muito tempo, vem sendo considerada dura, cientistas do Departamento de Química, da Universidade de Leicester (Reino Unido) prometem torná-la mais amena: estão conduzindo um programa, o qual, acreditam, permitirá resolver um grande problema.

Os mecanismos de reação química podem implicar na formação de intermediários reacionais, tais como os radicais livres. A compreensão de tais intermediários está diretamente relacionada à observação acurada que se pode fazer deles.

Acontece, no entanto, que tais mecanismos reacionais, em condições normais, têm intermediários de vida bastante curta, efêmera mesmo, fato que os torna dificilmente detectáveis. Como proceder, então?

Em matrizes de gases nobres (isolamento em matrizes), os químicos efetuam o isolamento de espécies reativas. As referidas matrizes têm o mérito de promover o "congelamento" da reação, mas produzem sólidos rígidos, nos quais as moléculas são capturadas e, por conseguinte, imobilizadas.

A utilização de um "novo solvente exótico" é proposta pelos pesquisadores de Leicester: nanogotas de hélio superfluido (LHNDs - Liquid Helium Nanodroplets).

A 0,2 Kelvin, temperatura próxima do zero absoluto, o hélio perde toda sua viscosidade tornando-se, assim, superfluido: moléculas dissolvidas em uma gotícula composta de alguns milhares de átomos de hélio, mesmo de espécies muito reativas, como os radicais livres, podem ser congeladas no princípio de uma reação, preservando, contudo, sua mobilidade.

Os cientistas acreditam que a combinação de uma temperatura bastante baixa com a superfluidez poderá vir a abrir uma infinidade de novas aplicações, bastante excitantes para a Química. O principal objetivo é estudar as reações químicas e compreender como as moléculas individuais se aproximam umas das outras e reagem entre si.

Um feixe de laser de alta intensidade será utilizado pelos pesquisadores, a fim de sondar as gotas e, dessa maneira, fornecer uma visão detalhada do começo de uma reação. Os doutores Andy Ellis e Martiyn Wheeler objetivam construir um aparelho de ponta, o qual lhes permita realizar as experiências.

Universidade de Leicester (Reino Unido), January 21, 2003. (Tradução/Texto - MIA)


<< voltar para novidades

 © 2001-2019 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco