Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

"Loura", em embalagem plástica! Cerveja ganha nova "vestimenta".

Acostumados à cerveja engarrafada em vasilhames de vidro e, mais recentemente, em embalagens de alumínio - as conhecidas latinhas -, a possibilidade de se ter a bebida favorita de uma grande maioria acondicionada em garrafas feitas com resina é algo de muito novo no fronte! E isto não só com relação à cerveja, mas à qualquer outra bebida gasosa.

As resinas atualmente em uso no mercado apresentam um inconveniente: não permitem que a carbonatação seja preservada, fato que faz com que as garrafas de vidro ou os recipientes em metal sejam preferidos.

A seu lado, as resinas plásticas, de baixa permeabilidade aos gases são, hoje, utilizadas para reservatórios e garrafões de gasolina, especialmente a resina do copolímero de etileno e álcool vinílico (EVOH) e a resina de nylon MXD8.

A Kureha Chemical Industry (Japão) desenvolveu uma nova resina de ácido poliglicólico, de mais baixa permeabilidade ao oxigênio e ao vapor de água que a resina de EVOH. Para a produção de garrafas plásticas, a resina será interposta entre duas camadas de teraftalato de polietileno (PET). Quem lucrará bastante com esta nova tecnologia será a indústria cervejeira, que poderá vender e/ou transportar produtos menos pesados.

Quem pensa que a validade das bebidas sob esse acondicionamento é menor que a daquelas engarrafadas em recipientes de vidro, engana-se: a duração da carbonatação das bebidas é aproximadamente a mesma, enquanto que a daquelas fabricadas com resinas convencionais cai pela metade.

A Companhia prevê começar a produção em massa dos vasilhames, a partir do ano fiscal de 2005, elevando as vendas anuais à cifra de cerca de 10 milhões de dólares. O acondicionamento em resina plástica parece que vem para ficar! Estima-se que 600 bilhões/ano de garrafas de bebida com gás poderão valer-se da nova resina.

Nikkey Weekly, February 24, 2003. (Tradução/Texto - MIA)

<< voltar para novidades

 © 2001-2019 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco