Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

O Sangue Novo

A ProMetic BioScience, empresa do Grupo ProMetic Life Sciences, atua no ramo biofarmacêutico, sobretudo focalizando suas atividades na descoberta e elaboração de novos medicamentos. Tais realizações, alicerçadas na pesquisa, desenvolvimento, fabricação e comercialização de uma variedade considerável de aplicações comerciais, a partir de sua plataforma de tecnologias patenteadas, vêm utilizando a purificação, em grande escala, de produtos genômicos e proteômicos.

Em abril de 2002, a ProMetic Life Sciences e a Cruz-Vermelha americana formaram uma co-empresa visando a construir e a comercializar sistemas de detecção e eliminação de vírus e agentes patogênicos para a indústria farmacêutica e de alimentos. Eram dois os seus alvos: o primeiro, a detecção e eliminação dos agentes patogênicos que pudessem causar a encefalopatia espongiforme transmissível (EST), mais conhecida pelo nome de doença da vaca-louca e, o segundo, sua forma humana, conhecida como doença de Creutzfeldt-Jakob. Em assim fazendo, a empresa canadense chega a um enorme mercado de purificação de sangue, estimado em 6 bilhões de dólares por ano.

Tal aliança permitirá à ProMetic BioSciences colocar em condições de uso um novo gel para purificação, o qual permitirá eliminar as impurezas contidas no sangue, entre outros prions capazes de provocar a EST em humanos. É efetivamente nesta área que a empresa canadense (com 100 funcionários) tem sua grande expertise. A bioseparação, por exemplo, consiste na purificação das proteínas terapêuticas ou ainda na eliminação dos contaminantes de um meio como, por exemplo, o sangue infectado.

Os diferentes projetos de bioseparação - utilizados por empresas como Avantis Behring, Merck alemã ou GTC Therapeutics - fazem uso de tecnologia elaborada pelo laboratório inglês da ProMetic Life Sciences, ou seja, utilizam ligantes sintéticos.

Produzidos em laboratório, tais ligantes imitam a estrutura funcional da proteína-alvo. São também denominados ligantes miméticos. Os ligantes têm a propriedade de se ligar à proteína-alvo por meio de uma ligação química e, desta forma, fazerem sua captura. No processo de purificação, tais ligantes são colocados num gel de filtração, constituído de milhares de microesferas porosas, de diâmetros nominais predeterminados, podendo variar de 3 a 300 micrometros. Estas esferas são fabricadas a partir de um polissacarídeo complexo, proveniente de algas marinhas: a algarose. O gel é inserido numa coluna de purificação, através da qual passa o meio de cultura da proteína-alvo. O processo é então finalizado por etapas de dessorção feitas através do ajuste do potencial iônico ou do pH.

Os ligantes miméticos representam hoje em dia um dos meios mais rentáveis de purificação de proteínas terapêuticas, visto que eliminam o grande número de etapas necessárias à purificação, aumentando, em conseqüência, o rendimento na recuperação da proteína-alvo e a pureza do produto final. Adicionalmente, o uso destes ligantes é claramente mais eficaz que o dos ligantes biológicos tradicionais.

Possuindo um procedimento patenteado, único no mundo, a ProMetic produz suas micro-esferas no Canadá (Quebec) e todos os seus ligantes na Inglaterra.

PLAN (Quebec, Canadá), 01 fevrier, 2003. (Tradução/Texto - OLA)

<< voltar para novidades

 © 2001-2019 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco