Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2020

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Biopesticidas vão à luta!

Robert Ouedraogo e Jacques Brodeur, pesquisadores do Departamento de Fitologia da Universidade de Laval (Canadá), confrontados com um enigma: em laboratório, certos pesticidas funcionam admiravelmente bem; no entanto, no campo, chegada a hora de dizerem a que vieram, falham fragorosamente. Por quê? Experiências realizadas os levaram à solução do enigma.

Uma análise do próprio nome - biopesticida - revela tratar-se de um agente natural, utilizado no combate a um inimigo natural. Consideremos, por exemplo, que o agente natural seja um champignon e que seu inimigo natural seja um inseto nocivo. Uma vez este tendo desaparecido do campo, o champignon morre.

Os pesquisadores constataram que estavam frente a algo novo: os insetos infectados pelo champignon desenvolveram uma reação jamais vista em laboratório - pararam de comer e foram bronzear-se ao sol! Como esperado, sua temperatura aumentou. Os champignons que os infectara, por sua vez, pararam de se desenvolver!

O fenômeno foi chamado, por Ouedraogo e Brodeur, de "febre comportamental". Em função dela, informam eles, "os insetos podem atingir uma temperatura de 52 0C", enquanto o champignon estudado é destruído por uma temperatura de 48 0C. Isso explica porque os champignons são responsáveis por 85% de mortalidade dos insetos em laboratório e quase nada no campo.

E, afinal, como ficaram os partidários dos biopesticidas? É lógico que não se deram por vencidos! Constataram que se a tal da "febre comportamental" não se manifestar nas 36 horas que se seguem à infecção, o inseto morre. Assim, planejaram uma vaporização dos champignons somente quando for previsto tempo nublado.

Uma outra possibilidade foi também considerada: o desenvolvimento de uma "versão melhorada" desse champignon, que possa sobreviver a 52 0C.

Agence Science Presse, 16 de avril, 2003. (Tradução/Texto - MIA)

<< voltar para novidades

 © 2001-2020 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco