Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Vodka vira combustível de biobateria.

Os fãs da bebida, logicamente, acharão isso um tremendo desperdício! Alegarão que têm destino mais nobre para ela. Mas, afinal, não é bem assim que pensam alguns pesquisadores.

Arrazoam eles que uma pilha a combustível converte em eletricidade a energia liberada pela reação do hidrogênio com o oxigênio que produz água. Dado que estocar hidrogênio não é tarefa das mais fáceis, uma outra fonte química é freqüentemente utilizada nas pilhas.

Shelley Minteer, pesquisadora da St. Louis University (USA) e sua equipe fizeram opção pelo etanol, cujas enzimas liberam o hidrogênio: trata-se, portanto, de uma "bio fuel cell"!

O etanol é de fácil obtenção, e os pesquisadores fizeram funcionar sua pilha com gim ou vodka. Depararam-se, no entanto, com um problema: o tempo de vida das enzimas, bastante sensíveis a variações de pH ou de temperatura. Assim, até o momento, nenhuma bateria pode contar com enzimas que resistissem mais que alguns poucos dias.

A técnica desenvolvida por Minteer consiste em recobrir o eletrodo com um polímero poroso, que mantém o pH neutro. Dado serem os poros suficientemente pequenos, aprisionam as enzimas. Por outro lado, são grandes o suficiente para deixar passar o álcool. A equipe está exultante: as enzimas sobreviveram por mais de dois meses e... ainda funcionam!, informa Shelly Minteer.

Frente às soluções alternativas, diz Minteer, a biobateria da St. Louis University apresentará uma densidade energética 32 vezes superior, embora a célula seja ainda bastante pesada para ser portátil. A redução do tamanho da mesma é o alvo da equipe.

St. Louis University. (Tradução/Texto - MIA)
http://www.slu.edu/

<< voltar para novidades

 © 2001-2019 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco