Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas
 
NOVIDADES

Desvendados os mistérios de um remédio tradicional chinês contra uma velha doença: o impaludismo (febre amarela).

Para aqueles aos quais a palavra artemísia remete apenas ao licor de nome absinto, extraído de uma de suas variedades (artemisia absintho), que já foi bastante cantado em prosa e verso, pode surpreender a informação de que um dos componentes da planta era, e é, utilizado pelos chineses como remédio antiimpaludismo, antimalária. Pois é: cientistas ingleses conseguiram penetrar nos segredos desse velho remédio chinês, que poderá se constituir em uma arma eficaz para vencer as resistências surgidas no tratamento dessa doença.

O impaludismo, paludismo ou malária, como é mais conhecida a enfermidade, é uma infecção que acomete o homem e outros mamíferos, e também aves e anfíbios, causada por protozoários do gênero Plasmodium, do qual são conhecidas aproximadamente 50 espécies. Trata-se de um flagelo que tem feito, no mundo, quase um milhão de mortes por ano.

Os cientistas vêm tentando cercar a doença e, há alguns anos, têm olhado com grande interesse para a artemisina, um componente da Artemisia annua ("qing hao"), erva tradicional na China.

A artemisina é considerada como um potente antiimpaludismo, ainda que as resistências aos tratamentos clássicos, como a cloroquina, venham se desenvolvendo mais e mais, principalmente na África.

Na Faculdade de Medicina do Hospital Saint-George, em Londres, Reino Unido, Sanjeev Krishna e seus colegas descobriram o mecanismo que envolve esse tratamento tradicional, cuja história remonta à noite dos tempos, tendo tido início por volta de 340 d.C. Conta-se que um escriba taoísta redigiu um "Manual de Tratamentos de Emergência", do qual consta a receita de uma infusão, à base de artemísia, uma planta aromática, para combater a febre.

Li Shizen, um sábio chinês, doze séculos depois, entendendo que o remédio poderia ser usado contra os sintomas da malária, o inclui numa compilação que tornar-se-ia clássica na história da medicina chinesa.

Não obstante à história de sucesso do medicamento, foi apenas em 1972 que os cientistas chineses voltaram seu interesse a esse remédio tradicional, extraindo seu componente ativo, ao qual deram o nome de artemisina. Até o presente, pensava-se que o contato da substância com o parasita do impaludismo fazia com que a mesma liberasse radicais livres, os quais atacavam e destruíam a membrana celular do parasita.

Os pesquisadores britânicos apresentam explicação diferente, sugerindo que o mecanismo que se dá é bastante complexo e muito sofisticado. A artemisina age, de fato, bloqueando a ação de uma enzima (PfATP6), essencial para bombear o cálcio de e para as células do parasita. É sabido que, para seu motor molecular, todas as células complexas têm necessidade desse bombeamento.

Inicialmente, a equipe de Krishna infectou ovos de rã que tinham exposto paralelamente à artemisina. Concluiu, então, que a enzima PfATP6 não age senão sobre o parasita do impaludismo, bloqueando sua bomba de cálcio.

Ensaios bioquímicos deverão ser feitos no sentido de confirmar ou não essa descoberta, até agora restrita à observação científica. Em caso positivo, que é o que a medicina aguarda ansiosamente, novas pistas para a luta contra a malária serão abertas, menos sensíveis às mutações do parasita, mutações que estão na origem das resistências surgidas em várias regiões.

BBC: http://news.bbc.co.uk. (Tradução/Texto - MIA)

<< voltar para novidades

 © 2001-2014 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco