Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Produção de energia elétrica diretamente de bactérias não é novo. Mas... com rendimento de 80% ?!

Poderia causar espanto a alguns (poucos), o fato de ser possível a produção de eletricidade a partir de bactérias. Contudo, pesquisadores da Universidade de Massachusetts Amherst (EUA), liderados por Derek Lovley, conseguiram realizar uma experiência com um rendimento significativamente mais importante do que aquele conhecido até o presente, e sem qualquer mediador. Devem isso ao Rhodoferax ferrireducens.

O Rhodoferax ferrireducens é um microorganismo anaeróbico, descoberto em Oyster Bay, Virgínia (EUA), que, por uma reação de óxido redução, é capaz de extrair elétrons de açúcares simples como a glucose ou a frutose.

Como é microscópico, mas nem por isso pouco inteligente, usa metade desses elétrons para seu próprio desenvolvimento, enquanto que a outra metade é reenviada para substratos ricos em ferro. O "pulo-do-gato", para os pesquisadores, consistiu em fixar bactérias diretamente sobre eletrodos, encarregados de drenar o fluxo de elétrons excedentes.

Lovley e seus colegas, através dessa manipulação, obtiveram um rendimento de 80%, sendo que os métodos atuais não ultrapassam 50%. Mas, como nem tudo é perfeito, sendo a oxidação da glucose um processo lento, o procedimento não pode servir como fonte direta de energia.

Nada impede, contudo, de se perspectivar novas aplicações, como, por exemplo, a recarga de baterias elétricas, principalmente no caso de equipamentos científicos usados no fundo do mar, onde é difícil a substituição das pilhas. A medicina poderia também se valer dessa experiência em aparelhos médicos do tipo marcapasso, os quais seriam capazes de obter energia a partir da glucose sanguínea.

USA Today, September 07, 2003. (Tradução/Texto - MIA)

<< voltar para novidades

 © 2001-2019 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco