Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Enzima do veneno da jararaca pode combater doença de Chagas.

Pesquisa realizada pelos Laboratórios de Química e Função de Proteínas e Peptídeos (LQFPP) e de Biologia Celular e Tecidual (LBCT) do Centro de Biociências e Biotecnologia (CBB) da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) mostrou que a enzima L-aminoácido oxidase (LAO), encontrada no veneno da serpente Bothrops jararaca, induz a morte, pelo processo denominado apoptose, no Trypanosoma cruzi, parasita causador da Doença de Chagas.

A pesquisa integra a tese de mestrado da professora Poliana Deolindo, do Programa de Pós-Graduação em Biociências e Biotecnologia, e teve a orientação do professor Elias Walter Alves. Segundo ele, os efeitos antiparasitários e antifúngicos do veneno da jararaca já haviam sido comprovados em pesquisas anteriores.

Mas, diz Alves, pela primeira vez foi possível identificar qual o componente do veneno responsável pela morte, por meio da apoptose, das células do T. cruzi.

O próximo passo é conseguir isolar a enzima. "Nosso objetivo, agora, é estudar o veneno, a LAO em particular, em outros sistemas biológicos, para ver como ela se comporta e se tem os mesmos efeitos", explica o professor.

Mas ele reforça que ainda é cedo para se falar na cura da doença. Alves acredita que há muito mais chances de se descobrir, primeiro, uma técnica eficiente para o tratamento do sangue contaminado pelo parasita, evitando, assim, que a Doença de Chagas se alastre por meio da transfusão. "Muitas pessoas adquirem a doença na transfusão de sangue".

O Trypanosoma é transmitido para o homem pelo inseto conhecido como barbeiro (Triatoma infestans). Os parasitas penetram no organismo humano através de ferimento, como a própria lesão gerada pela picada, e, daí, seguem para a corrente sangüínea. Se não for diagnosticada na fase aguda, quando ainda pode ser curada, a doença evolui para a fase crônica.

Os parasitas instalam-se nos músculos humanos, especialmente no coração, provocando insuficiência e arritmia cardíaca e podendo levar o indivíduo à morte. A prevenção está ligada à melhoria das condições de habitação e saneamento, uma vez que o barbeiro costuma se abrigar nas frestas de paredes de barro ou madeira.

Assessoria de Comunicação da UENF, outubro de 2003.

<< voltar para novidades

 © 2001-2019 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco