Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

CDs fabricados com componentes do milho ? É isso mesmo ! Aposta-se nos discos ópticos biodegradáveis !

O milho expande suas fronteiras: da farinha à pamonha, passando pelo cuscuz, pipoca e outras incontáveis delícias, agora bate à porta da indústria eletrônica. E é muito bem recebido, sim senhor!

Um disco óptico em resina biodegradável, à base de milho, acaba de ser fabricado pela Mitsui Chemicals e Sanyo Mavic Media (Japão), empresas afiliadas à Sanyo Electric, e tem o mesmo tempo de vida dos discos atuais, fabricados em policarbonato.

A Mitsui Chemicals operou em sua área de ação, a química, mais especificamente naquela de constituintes biodegradáveis, enquanto coube à Sanyo desenvolver a tecnologia de prensagem e formatação de precisão.

Em virtude de sua biodegradabilidade, o ácido poliláctico, que pode ser extraído do milho, tem despertado um interesse cada vez maior da parte dos fabricantes de polímeros. É bom que se saiba que a produção anual dessa gramínea chega a 600 milhões de toneladas, sendo possível fabricar 10 discos a partir de apenas uma espiga de milho. Logo, o mercado afigura-se como altamente promissor.

Até o final do ano, a produção dos discos ópticos de milho deverá ter início, começando por CDs de música, CD-ROMs e discos de vídeo. Calcula-se, em termos de venda, uma cifra de 10 milhões de dólares. As duas empresas objetivam entrar competitivamente no mercado, produzindo discos a preços inferiores aos de policarbonato. E entram bem... (no bom sentido!), uma vez que levam a vantagem de oferecer um produto que, sendo biodegradável, respeita o meio ambiente.

Japan Chemical Week, October, 02, 2003. (Tradução/Texto - MIA)

<< voltar para novidades

 © 2001-2019 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco