Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Nanocristais podem dar um "basta !" às notas falsificadas de euros.

Astúcia, artifício, manha, ou qualquer outro sinônimo que se queira usar, estão sempre a postos quando o objetivo é enganar, ludibriar, fraudar. Em se tratando de dinheiro, então, parece que o desafio sempre está lançado: é possível, sim, fazer idêntico, por que não?

Acreditava-se serem infalsificáveis as recém lançadas notas de euro -, dinheiro em vigor em quase todos os países da Comunidade Européia -, quando de sua introdução fiduciária no mercado. Santa ingenuidade! Logo o banco europeu precisou "sair correndo atrás do prejuízo", buscando novos métodos que garantissem o caráter infalsificável das notas.

Uma das saídas encontradas foi a incorporação de nanopartículas luminescentes nas cores de impressão. Pois bem, a empresa Nanosolutions GmbH (Alemanha) desenvolveu nanopigmentos que não podem ser excitados por fluorescência, senão de modo seletivo: os pigmentos não tomam uma cor vermelha ou verde, a não ser com o auxílio de uma fonte de UV bem definida.

O trabalho de identificação das notas falsas ficaria a cargo dos caixas nos estabelecimentos, os quais, munidos de uma mini lâmpada a vapor de mercúrio, separariam "o joio do trigo". Enquanto os nanocristais de óxido de vanádio e de ítrio emitem no vermelho, os nanocristais de fosfato de lantânio, de 7 nm, emitem uma luz verde. Um controle preciso dessas emissões mostra que as mesmas constituem uma "impressão digital", de grande precisão espectral.

Sendo acrescentados elementos químicos convenientemente escolhidos, é possível obter-se um espectro de emissão, de tal precisão, que pode detectar as notas falsas. Para facilitar a identificação, o aparelho de detecção poderá ser acoplado às próprias caixas registradoras.

Um dos diretores da empresa, Fernando Ibarra, acredita que tal sistema poderá vir a ser mais confiável que o princípio da fluorescência atual, uma vez que os pigmentos fluorescentes são de fácil acesso a quem quer que queira comprá-los. A tipografia federal alemã, Bundesdruckerei, e o impressor de bilhetes (papel moeda), Giesecke & Devrient, farão os testes com o novo procedimento.

Criada em 2000, e de olho nesse possível mercado, a Nanosolutions GmbH já tratou de montar uma pequena instalação para a fabricação de nanocristais luminescentes, e vem produzindo alguns quilos dos mesmos.

BE Allemagne (http://www.be.adit.fr) (Tradução/Texto - MIA).


<< voltar para novidades

 © 2001-2019 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco