Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Nova energia renovável !

Na família das energias renováveis, mais um membro: a energia osmótica! A Noruega se lança a construção, em Hurum, no sudeste do país, do primeiro protótipo do mundo de central que funciona com este princípio. A instalação, implantada no sítio de uma empresa papeleira, deverá ser operacional até o fim de 2008, anunciou recentemente a empresa Statkraft, responsável pelo projeto.

A osmose é um fenômeno natural que ocorre quando duas soluções de concentrações diferentes são separadas por uma membrana, a água passa do meio menos concentrado para o meio mais carregado de elementos dissolvidos. No protótipo norueguês, água doce vai enriquecer um compartimento contendo água do mar. O aumento da pressão resultante permite acionar turbinas geradoras de eletricidade.




Representação esquemática da futura central norueguesa de geração de energia osmótica.

Créditos: Statkraft



É claro que a instalação é modesta. A potência elétrica fornecida deverá ser de 2 a 4 kW, contudo, representa uma etapa importante para o desenvolvimento futuro deste procedimento. Este tipo de energia marinha parece simples, limpo e renovável: sua fonte principal é a água do mar. Poderá ele vir a revolucionar o mundo das energias alternativas? É muito cedo para dizer, uma vez que os obstáculos tecnológicos são numerosos.

"Entre estes, e não dos menores, o tamanho das membranas necessárias", sublinha Gerard Pourcelly, cientista do CNRS (Centre National de la Recherche Scientifique, da França) e diretor do Instituto Europeu de Membranas. "O futuro protótipo permitirá recuperar 4 watts por m2. Para alimentar um apartamento que consome 10 quilowatts, é necessário, portanto, utilizar 2.500 m2 de membranas que, mesmo se forem espiraladas, representam uma superfície equivalente à terça parte de um campo de futebol..."

O cientista acredita que essa tecnologia tem futuro. Segundo ele, "no prazo de cinco anos, pode-se considerar a generalização desse tipo de projeto, mas em uma escala da ordem de algumas centenas de quilowatts, no máximo um megawatt". Quanto à empresa Statkraft, esta estima que 10% da produção energética da Noruega poderão ser assegurados por esta nova fonte de energia renovável.

Nouvel Obs. (http://tempsreel.nouvelobs.com), consultado em 07 de dezembro de 2007 (Tradução - MIA).


<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco