Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Boas-vindas à eletropriônica!

De olho no "desrespeito" da parte dos prions, no verdadeiro "pouco-caso" que fazem das diferentes condições a que são submetidos (aquecidos durante quatro, dez, vinte minutos que sejam, eles não amolecem; se congelados a 80 graus, "não estão nem aí!", podem ser mergulhados em soluções ácidas, alcalinas ou até mesmo em álcool puro, que saem com um ar refrescante - lembremo-nos de que certos prions são responsáveis pela doença da vaca-louca!), a bioquímica americana Susan Lindquist resolveu enfrentá-los.

Sua proposta, à primeira vista, pode parecer i-nu-si-ta-da: construir com os prions a última etapa de miniaturização concebida pela nanoeletrônica, a da molécula. Observou que, para esse tipo de performance, nada mais indicados que os prions, pois estes têm a capacidade de se auto-agrupar numa espécie de filamento extremamente sólido e mais ou menos longo.

Seria preciso ver, então, como ficam quanto ao transporte de corrente. Tudo bem, basta que se transforme o prion "natural", excelente isolante, em um prion depositado em ouro e prata, remarcável condutor.

Agora, se você julga desconcertante a idéia de ter prions em seu computador, Susan Lindquist está aí para tranqüilizá-lo: muita calma, pois eles nada têm a ver com a temível doença da vaca-louca e de Creutzfeldt-Jakob. O responsável pela produção desses prions é o microorganismo Saccharomyces cerevisae, o popular fermento de padeiro. Garante ela que os mesmos "não são absolutamente infecciosos para o homem", daí "poderem ser manipulados com toda a segurança".

Le Point (http://lepoint.fr). (Tradução/Texto - MIA)

<< voltar para novidades

 © 2001-2019 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco