Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Tecnologia RFID : uma solução possível para evitar a violação de embalagens plásticas de medicamentos.

Embalagens de medicamentos violadas - sabe-se lá com que intenção -, logo, logo serão coisa do passado, estão com os dias contados!

Atentas a esses procedimentos, no mais das vezes (ou mesmo em todas) criminosos, duas empresas americanas, a Pliant e a IBM, acabam de desenvolver um chip de radiofreqüência que permite detectar toda modificação ou alteração na embalagem plástica de um produto.

A Pliant é líder em embalagens plásticas nos Estados Unidos e oferece uma funcionalidade adicional aos chips que acompanham os pacotes ao longo da cadeia de abastecimento. Acontece que o custo da nova tecnologia é bem alto, impedindo, assim, sua comercialização em massa. Contudo, o mercado vem se desenvolvendo bem no setor farmacêutico.





Etiqueta RFID.

Créditos: IBM



É às empresas que necessitam fiscalizar e assegurar o transporte de seus medicamentos que a nova tecnologia se dirige principalmente. Ela permite que se saiba em que lugar da cadeia de abastecimento um pacote foi danificado ou remexido. E vai além: pode permitir que as empresas se sintam mais confiantes, face às novas exigências de confiabilidade de dados coletados nas análises clínicas. O chip ajuda a assegurar que o protocolo estabelecido é respeitado, permitindo, assim, determinar se os pacientes fazem seu tratamento no tempo previsto.

O sistema combina uma embalagem plástica elástica - impressa num circuito condutor - com a tecnologia RFID (Radio Frequency Identification Tag). Se, por algum motivo, a embalagem plástica e danificada, o bom funcionamento do chip RFID é alterado, permitindo, assim, que o usuário, graças a um detector portátil, identifique o momento da interferência.

Infohightech (http://www.infohightech.com), consultado em 19 de fevereiro de 2007 (Tradução/Texto - MIA).


Nota do Managing Editor: a ilustração desta matéria não consta do original e foi obtida em www.google.com.


Veja mais:

Chips RFID: respeito à vida privada é bom e a gente gosta!

Chips Hig-tech garantem transfusões sangüíneas mais seguras.

Bengala "informa" deficientes visuais sobre a proximidade de obstáculos.

Chips sobre plásticos: rumo à eletrônica flexível.

Informações li-te-ral-men-te debaixo da pele.

Etiquetas eletrônicas podem socorrer idosos.


<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco