Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Macroinvestimentos para nano dispositivos.

Na corrida para a miniaturização que conhece a microeletrônica desde os anos 40, a Intel em breve estará prestes a dar um novo passo, e não dos menores! A gigante de Santa Clara vai, de fato, empregar entre 1 e 1,5 bilhões de dólares em sua fábrica de Rio Rancho, no Novo México (EUA), a fim de passar à produção de microprocessadores, tendo uma espessura de gravação de 45 nm.

A passagem do 65 nm (atual processador Core Duo) ao 45 nm pode ser feita graças à várias evoluções tecnológicas consideráveis. A Intel será de fato o primeiro fabricante a utilizar um material high-k como dielétrico de grade, bem como uma nova mistura metal-háfnio como grade, no lugar dos clássicos SiO2 e polisilício. Sem essas inovações, as correntes de fuga dos transistores seriam bem mais elevadas.

A nova família de processadores se beneficiando dessa espessura de gravação de 45 nm leva o nome de código Penryn. Tecnicamente, ela conservará a arquitetura do Core Duo, mas os chips terão dimensões reduzidas, graças à menor espessura de gravação. O número de transistores atingirá 410 milhões, na versão duplo-core, e 820 milhões, em uma variante quadri-core. Relativamente ao Core Duo, o Penryn deverá ter um ganho de performance de aproximadamente 20%.





Penryn, da Intel. Chip de 45 nm, com 410 milhões de transistores.

Créditos: Intel


A fábrica atual de Rio Rancho (Fab 11X) utiliza atualmente uma tecnologia 90 nm, sobre substratos de 300 nm. O bilhão de dólares será utilizado para remodelar e equipar a fábrica, para poder passar ao 45 nm, e isso a partir de meados de 2008. Não será apenas essa fábrica da Intel a dar esse passo: a de Oregon será a primeira, depois será a vez daquelas implantadas em Israel e Arizona, para as quais a Intel dispensará respectivamente 3 e 3,5 bilhões de dólares suplementares.

Intel (www.intel.com), consultado em 25 de março de 2007 (Tradução - MIA).


Veja mais:
Chips gravados em 45 nm: IBM e Intel apostam suas fichas na nova tecnologia!

Chips eletrônicos: Samsung começa a se afastar dos concorrentes!

Comunicações via telefone celular dão mais um salto com chip gravado em 65 nm.


<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco